dcsimg

Mercado de Trabalho e a Busca por Engenheiros

Conheça os aspectos favoráveis do crescimento do País e a demanda por profissionais de engenharia para suprir as necessidades do mercado de trabalho!

A busca por engenheiros no mercado

Um tema que é assunto recorrente no país e motivo de preocupação para o mercado de trabalho nos últimos anos, é a falta de engenheiros no país. Segundo estudos e pesquisas realizadas em todo território nacional, esta falta de profissionais de engenharia, acredita-se, continua a ser um dos principais problemas que eventualmente travam o desenvolvimento econômico do país. Mas por que está falta súbita de mão-de-obra?
No mercado em geral, há falta de profissionais qualificados em todas as áreas e em todas as profissões, mas a falta de engenheiros é a que tem mais preocupado o país nestes últimos tempos. Segundo a Confederação Nacional da Indústria (CNI) até 2012 faltarão no mercado cerca de 150 mil engenheiros para preencher as vagas que estão surgindo no mercado.
Esta demanda é grande por engenheiros na área de energia, transporte, construção pesada, industrial, pesquisas e desenvolvimento. Mas, a necessidade por profissionais nas áreas de petróleo e gás, será uma das maiores, devido ao investimento realizado no setor de energia e a descoberta e exploração do pré-sal. O crescimento da produção e da exploração de petróleo e seus derivados terão como barreira nos próximos anos, o déficit de engenheiros neste período. Há previsão da necessidade de um total de 207 mil profissionais até 2013.
O quadro se agrava quando se pensa nas proximidades de grandes eventos que estão por acontecer no país. Eventos como a Copa de 2014 e as Olimpíadas de 2016, somente aumenta a demanda por profissionais qualificados.

As estratégias focadas na demanda por profissionais de engenharia

Diante de tantas informações e pesquisas falando sobre a falta de engenheiros no mercado, tem se buscado então, encontrar alternativas para suprir essas necessidades no momento, e planejar meios para melhorar esses números no futuro. As alternativas buscadas até agora, seriam a de importar profissionais de outros países, ou trazer de volta, profissionais que atuam no exterior. Mas, neste caso há sempre complicações, pois tais profissionais se prepararam para atuar exterior, e somente voltariam caso houvesse proposta financeiramente viável, ou mesmo um desejo muito forte para regressar ao seu país natal. Alternativa, já mencionada, para suprir essa demanda de imediato, seria o de utilizar os serviços de técnicos, no lugar dos engenheiros. Mas, esta escolha tem trazido bastante indignação aos engenheiros graduados. Estes alegam não ser correto contratar técnicos para fazer o trabalho de engenheiros, sumariamente pela diferença na formação, a começar pela duração do curso, pois o curso de engenharia dura 5 anos em média e o de técnicos dura por volta de 2 anos.
Quanto as afirmações sobre a existência de engenheiros desempregados no país, é constatado que há sim uma demanda destes profissionais, sendo o grande problema a logística, pois há sim falta de engenheiros em determinadas localidades, enquanto que em outras há uma abundante oferta dos mesmos. Desta forma, um mapeamento das necessidades do mercado de trabalho por região seria fator determinante afim de alocar estrategicamente tais profissionais.

Há diversas outros pontos intrínsecos na busca e demanda dos profissionais de engenharia. Há diversas preocupações sobretudo no aumento de oferta de vagas para tais cursos, como também estratégias psico-pedagógicas para evitar a evasão na graduação. Dentre esta força tarefa, há também a crescente preocupação na qualidade dos cursos, afim de garantir com excelência o conhecimento aos alunos. Outras estratégias visam criar meios de comprometimento dos alunos com o curso através de bolsas de iniciação científica. Neste caso, criar um víncula e uma interação mais forte entre o aluno e seu curso favorece muito a motivação do mesmo com suas expectativas profissionais.
Seguindo este desejo de melhorias e incentivo aos graduandos e graduados em engenharia, há também a possibilidade de oferecer cursos de especialização, com pós-graduação específica as áreas de maior interesse, além de mestrado e doutorado.

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin