dcsimg

Descubra como é a carreira em Psicologia Clínica

A Psicologia Clínica é a área mais clássica da Psicologia. Saiba mais sobre a profissão, o mercado de trabalho e o que estudar!

A Psicologia Clínica é o mais antigo ramo da Psicologia e trata de pacientes que sofrem de algum tipo de mal-estar psicológico. Sigmund Freud e Carl Jung, por exemplo, trabalharam com Psicologia Clínica!

Escutar cada paciente, ouvir suas histórias e a partir daí estabelecer um diagnóstico que o oriente em busca de alívio emocional: esse é o trabalho do psicólogo clínico, que ajuda a pessoa a se conhecer melhor e, consequentemente, a lidar com seus anseios e sentimentos de forma mais tranquila e saudável.

Conheça neste artigo o caminho que você precisa trilhar para desvendar os mistérios da mente. Saiba como é a carreira, onde estudar e quanto ganha um profissional da Psicologia Clínica!

O que é Psicologia Clínica?

Sabe aquela imagem do psicólogo conversando com o paciente no divã? Pois então, aquele senhor que escuta e fica fazendo anotações em um caderninho é, provavelmente, um clínico.

Hoje o cotidiano da profissão já não corresponde exatamente a essa ideia, mas de certa forma é isso o que um psicólogo clínico faz: ouvir o que o outro tem a dizer e, a partir de seus conhecimentos em Psicologia, buscar o tratamento mais adequado.

Vamos explicar melhor.

A Psicologia Clínica é um ramo da Psicologia que trata de transtornos mentais. O profissional – tendo como objeto de estudo a mente de seu cliente, revelada por meio da fala – traça um diagnóstico e aplica psicoterapias, buscando sempre a reabilitação psicológica do paciente e o restabelecimento de sua saúde mental.

Um psicólogo clínico pode focar seu trabalho em diferentes campos. Alguns exemplos são:

  • Intervenção em famílias
  • Psicologia infantil
  • Psicoterapia em pessoas adultas
  • Reabilitação neuropsicológica

O paciente do psicólogo clínico não costuma ter um perfil social ou etário definido. Pessoas de todas as idades e de todas as origens estão sujeitas a padecer de transtornos mentais em seus mais variados graus. Muitas vezes, o paciente tem um problema ligado à sua própria individualidade psicológica, enquanto em outras vezes a causa pode ser fruto de seu meio social ou familiar.

Fundamentalmente, o que diferencia a Psicologia Clínica das outras áreas da Psicologia é a maneira de atuar sobre cada caso. A prática clínica pressupõe uma abordagem específica, que utiliza o método da fala e da escuta, em um espaço previamente preparado e adequado a esse fim. Inquietações, medos, conflitos e sofrimentos: todas essas questões são expostas nas consultas aos psicólogos clínicos, que usam seu conhecimento para levar alívio emocional e psicológico a seus clientes por meio de psicoterapias.

O psicólogo clínico, portanto, deve dominar as teorias e métodos que o levem a determinar o quadro psicológico de seu paciente para, a partir daí, poder praticar sua intervenção. Deve ter os conhecimentos necessários para conduzir o processo terapêutico e auxiliar nos problemas de conduta psicológica enfrentados por seus clientes. Mercado para ele sempre haverá, e ao que parece cada vez mais, visto que disfunções de ordem psicológica fazem parte da vida e da história do ser humano.

Qual o salário de um psicólogo clínico?

Os ganhos de um psicólogo clínico variam bastante de acordo com sua experiência profissional, a região do país em que atua – nos grandes centros urbanos do Sul e Sudeste o salário tende a ser maior – e também o porte da empresa ou consultório para o qual trabalha (lembrando ainda que o psicólogo clínico pode ser dono de sua própria clínica ou consultório, e aí seus ganhos variam de acordo com os convênios que tenha e com o número de clientes que atenda). Apontaremos alguns valores médios a seguir.

De acordo com o Guia de Profissões e Salários do site de empregos Catho, a média salarial brasileira para um psicólogo clínico é de R$ 2.113, embora o piso salarial de alguns estados supere esse valor. É importante lembrar também que o psicólogo pode acumular mais de um emprego, e aí essa média salarial se elevaria bastante. Psicólogos que atendem a clientes particulares, por exemplo, cobrando cerca de R$ 300 por consulta, podem vir a ter um salário de mais de R$ 10 mil.

Como se tornar um psicólogo clínico?

Sabemos que a Psicologia Clínica é uma das áreas da Psicologia. Então, o primeiro passo é óbvio: formar-se em um curso superior de Psicologia.

Existem cursos de Psicologia nos graus de bacharelado e licenciatura. A licenciatura é para aqueles que pretendem trabalhar no universo escolar, ou seja, como orientador educacional ou na formação de professores. Se a sua intenção é a Psicologia Clínica, o ideal é fazer um curso de bacharelado.

A oferta de bacharelados em Psicologia no Brasil é ampla, ultrapassando os 400 cursos em atividade. Esta será uma de suas primeiras tarefas: investigar as faculdades disponíveis e separar o joio do trigo. O melhor, é claro, é ter um diploma de uma faculdade de boa reputação, o que conta muito em seu currículo.

Pesquise tudo o que puder, converse com alunos e professores e sonde a imagem da instituição. Antes de se matricular, faça uma visita à faculdade para verificar com seus próprios olhos a infraestrutura que ela oferece. E não se esqueça do mais importante: confirme se a faculdade e o curso estão credenciados pelo Ministério da Educação (MEC). Essa será a garantia de que seu diploma terá validade em todo o território nacional e de que será aceito para o seu registro profissional (falaremos disso mais adiante).

A disciplina de Psicologia Clínica, por ser uma das mais importantes áreas da Psicologia, vai permear todo o curso de graduação, ao lado de matérias como Neuropsicologia, Psicologia Comportamental, Psicologia do Esporte, Teoria Psicoterápica e Psicologia de Atenção à Saúde, entre muitas outras.

A graduação também inclui estágios obrigatórios supervisionados, que podem ser feitos em clínicas, empresas ou consultórios, para que você comece a ver como a profissão funciona na prática.

Uma vez graduado e com seu diploma em mãos, é hora de obter o registro no Conselho Regional de Psicologia (CRP) de sua região. Estar registrado no CRP é obrigatório para poder trabalhar como psicólogo no Brasil. A inscrição não pressupõe nenhuma prova ou exame. É só apresentar todos os documentos necessários.

Depois disso, é importante seguir para uma pós-graduação que confira, pelo menos, o título de Especialista em Psicologia Clínica (e se puder avançar para um mestrado ou doutorado, tanto melhor, claro). Há também boa oferta de especializações nas diferentes áreas da Psicologia em várias instituições do país, inclusive algumas no modelo de ensino a distância (EAD). Esses cursos costumam durar cerca de dois anos e você já sai com o título de especialista.

Outro caminho é conseguir o Título de Profissional Especialista em Psicologia do Conselho Federal de Psicologia (CFP), o que só será possível depois de pelo menos dois anos de experiência comprovada de atuação no mercado. O título da CFP é obtido por meio da aprovação em um concurso, com exames práticos e teóricos, oferecido pelo próprio CFP.

De uma maneira ou de outra, você se tornará assim um psicólogo clínico com todas as credenciais para atuar profissionalmente. Além desses estudos e títulos imprescindíveis, outra dica é participar de palestras, congressos e outros eventos que reúnam os profissionais do meio. Lembre-se: tudo isso entra em seu currículo e faz a diferença na hora de se destacar no mercado.

Onde estudar Psicologia

Dentre tantas ofertas de curso de graduação em Psicologia, você tem que escolher a que melhor atende às suas necessidades. É sempre preferível optar por aquela instituição que tenha um certo nome e boa reputação em sua região. E não se esqueça de verificar se o curso e a faculdade estão credenciados pelo Ministério da Educação!

Confira algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer o curso de Psicologia:

Veja também:

Psicologia: profissão, carreira e mercado de trabalho

O que achou das informações sobre a carreira em Psicologia Clínica? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin