dcsimg

Curso Técnico: Treinadores e Instrutores de Cães-Guia

O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense do campus de Camboriú inicia, no segundo semestre, cursos técnicos de treinador e instrutor de cães-guia para auxiliar na locomoção de pessoas que apresentem deficiência visual.

Caracterísiticas sobre o novo Curso

Os cães-guia são o apoio que os deficientes visuais necessitam para conseguirem se locomover com mais facilidade em seu dia a dia. Os cães devem receber treinamento adequado, já que irão atuar como os olhos dos donos e guiá-los durante todo o tempo necessário. Mas só isso não basta. Alguns fatores relacionados com a personalidade, porte físico e saúde do cão devem ser avaliados para que ele possa se tornar um cão-guia. A docilidade do cão é um dos fatores mais importantes para que ele se torne um guia, além da facilidade em se adaptar a diferentes ambientes, pessoas e lugares. As raças mais cogitadas a serem guia são o Pastor Alemão e o Labrador, mas nada impede que cães de outras raças, desde que preencham alguns requisitos necessários, se tornem perfeitos cães-guia e atuem auxiliando a sociedade.

A Regulamentação do Curso Técnico Treinadores e Instrutores de Cães-Guia

No Brasil, não há nenhum curso técnico regulamentado (até a presente data – primeiro semestre de 2012) que ofereça esse treinamento para aqueles que desejam seguir essa profissão. Porém, a partir do segundo semestre de 2012, o Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia Catarinense vai iniciar os primeiros cursos técnicos para treinadores e instrutores de cães-guia.

O Conselho Nacional de Educação (CNE) aprovou os cursos há pouco tempo e o próximo Catálogo Nacional de Cursos Técnicos virá com este novo curso entre os que já estão sendo lecionados nas escolas do país.

Com a falta de filhotes apropriados para tal função, o número de vagas para os cursos é limitado. Cerca de 5 alunos no período diurno e integral. Os cursos terão 1440 horas cada.

A diferença entre um treinador e um instrutor é que, o primeiro é aquele profissional responsável por ensinar e habilitar os cães, enquanto o segundo é o profissional que trabalha toda a interação entre o deficiente e o animal, formando assim uma verdadeira dupla.

O Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgou que, no Brasil, cerca de 45 milhões tenham alguma deficiência e, entre esses, cerca de 530 mil possuem deficiência visual e 6 milhões possuem baixa visão.

Para maiores informações, acesse o site da instituição.

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin