dcsimg

Quanto tempo dura o curso de Economia?

Será que é preciso estudar muitos anos para atuar nesse mercado? Descubra aqui quanto tempo dura a faculdade de Economia!

A versatilidade do economista e o cenário atual para quem atua na área fazem crescer bastante a procura pelo curso de Economia nas faculdades públicas e particulares do Brasil. Os economistas têm sido recrutados principalmente para trabalhar com planejamento de finanças, fazer projeções de mercado e analisar riscos de investimentos.

O curioso é que profissionais com esse perfil são ainda mais requisitados em cenários de crise. Afinal, são especialistas em buscar saídas inteligentes para as situações mais difíceis.

O curso superior de Economia pode ser encontrado também com o nome de Ciências Econômicas e está disponível em duas modalidades de ensino – tradicional e a distância. Uma vez na faculdade, o estudante vai ter que encarar alguns anos de estudos e dedicação até a obtenção do diploma.

Sabe quanto tempo é necessário para se formar economista? A gente tem a resposta a seguir.

Ah, aproveite para conhecer também alternativas mais rápidas de formação e onde encontrar boas faculdades para fazer seu curso!

Quanto tempo dura o curso de Economia

Por determinação do Ministério da Educação, o curso de Economia precisa ter, no mínimo, 3.000 horas de estudos. Isso equivale a quatro anos de dedicação – mesma duração da maioria dos cursos superiores no Brasil.

Mas a gente sabe que tem muito estudante ansioso para entrar logo no mercado de trabalho. E que, com isso, mil questões vêm à tona: será que dá para fazer Economia em menos tempo? Se eu estudar a distância consigo terminar a graduação mais rapidamente? Existem alternativas para essa formação.

As respostas a todas essas dúvidas estão a seguir.

Quanto tempo dura o curso de Economia a distância?

Quem precisa conciliar os estudos com outras tantas atividades do dia a dia pode contar com o curso de Economia a distância. A graduação nesse formato ainda não é tão popular no Brasil, mas a tendência é de crescimento nos próximos anos.

Quem estuda a distância pode fazer até 80% do curso por meio do computador, de qualquer lugar conectado à internet. As disciplinas são apresentadas em um ambiente virtual, onde os alunos encontram vídeos, textos, animações e ferramentas de comunicação com professores, tutores e outros alunos.

O diploma emitido em um curso de Economia a distância vale tanto quanto o presencial.

Mas nem tudo é remoto aqui. Uma pequena parte (cerca de 20%) da carga horária deve ser utilizada para atividades presenciais, que são realizadas no polo de apoio oferecido pela faculdade. Isso é determinação do Ministério da Educação (MEC) e as instituições são obrigadas a atender.

Só que toda essa facilidade ainda não permite que o aluno faça o curso de Economia em menos tempo. A carga horária de 3.000 horas é a mesma para cursos presenciais e a distância.

Agora, se o que você quer é fazer um curso mais curto, talvez a alternativa ideal esteja em uma das tantas opções de tecnólogo ligados à área de Economia.

Descubra a seguir quais cursos são esses.

Existem cursos de curta duração na área de Economia?

Quem não quiser investir quatro anos no curso de Economia pode optar por graduações mais curtas.

Entre os cursos superiores de tecnologia, ou tecnólogos, existem opções de sobra. Essas formações são de nível superior e preparam o profissional para atuar em áreas bem específicas do mercado de trabalho.

Encontramos quase uma dezena de cursos de tecnólogo na área de Economia. Os interessados podem optar por graduações em finanças, gestão, relações comerciais e até comércio exterior. A duração média é de dois anos (1.600 horas) e boa parte é oferecida em duas modalidades – presencial e a distância.

As opções que encontramos são:

  • Gestão Financeira
  • Gestão de Recursos Humanos
  • Gestão Comercial
  • Gestão da Qualidade
  • Gestão de Cooperativas
  • Comércio Exterior
  • Gestão Pública
  • Processos Gerenciais

Outro ponto muito positivo dos tecnólogos é a empregabilidade. Os cursos são pensados para atender às necessidades das empresas, de forma que profissional não vai ter dificuldade para encontrar uma posição no mercado de trabalho.

Como funciona o curso de Economia?

O curso de Economia – ou Ciências Econômicas – é encontrado apenas em grau de bacharelado. Isso significa que forma um profissional com perfil generalista, o que lhe permite atuar em diferentes áreas.

Economia trata de diversos conteúdos das áreas de Humanas e Exatas. Administração, Cálculo, Contabilidade, Finanças, Direito, Fundamentos da Economia, Estatística, Ciências Sociais, Matemática, Psicologia e Sistemas Internacionais serão companhias constantes durante os quatro anos da formação.

O curso é fundamentalmente teórico, o que faz com que os estudantes tenham que se empenhar bastante para dar conta do volume de leituras necessário para acompanhar as disciplinas.

Depois de formado, o economista pode atuar em diversos segmentos: empresas, indústrias, institutos de pesquisa, organizações não governamentais, escritórios especializados, setor público, bancos, instituições financeiras, cooperativas e associações.

Onde estudar Economia?

Economia está disponível em cerca de 200 instituições de ensino pelo Brasil.

Por ano elas oferecem, juntas, aproximadamente 70 mil vagas, somando o ensino tradicional e o EAD.

Na hora de buscar a faculdade ideal, atente-se a uma informação importantíssima: se a instituição é reconhecida e tem autorização do MEC para oferecer o curso. É isso que vai garantir a validade do seu diploma no mercado de trabalho.

Para ajudar a encontrar a faculdade ideal, a gente foi atrás de algumas instituições reconhecidas pelo MEC com relevância no mercado, boa infraestrutura e vagas em praticamente todo o país. Elas também têm à disposição alguns dos cursos de tecnólogo na área de Economia que mencionamos acima.

Conheça:

Veja também:

Como está o mercado de trabalho para Economia?

Está querendo entrar na área da Economia? Conte para a gente onde você gostaria de estudar!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin