dcsimg

Entenda como funciona o pagamento do FIES

O FIES facilita seu caminho até o diploma universitário, financiando as mensalidades para você. Confira como funciona o benefício!

Com o FIES, o estudante recebe uma ajuda do governo federal para pagar a faculdade e só começa a quitar a dívida depois de formado. Durante o curso, a quantia a ser paga obedece a um teto máximo, que varia de acordo o tipo de contrato e a época em que foi assinado.

A cada semestre o FIES abre novas inscrições para os interessados em financiar cursos presenciais em faculdades privadas de todo o Brasil. A porcentagem da mensalidade financiada é variável e depende de alguns fatores bem específicos.

O FIES vem passando por mudanças e, a partir de 2018, existem três modalidades de contrato diferentes – cada um com suas condições de pagamento.

Fique aqui com a gente que vamos contar para você tudo sobre o pagamento do FIES!

O que é o FIES

FIES é o Fundo de Financiamento Estudantil, um programa do Ministério da Educação (MEC) que ajuda a população de menor renda a pagar as mensalidades do ensino superior. A dívida só começa a ser quitada depois da conclusão do curso, em um prazo bastante estendido e com taxas de juros abaixo do mercado.

Ano a ano, o FIES vem se adequando às mudanças sociais e econômicas brasileiras. A cada nova edição, surgem novidades e algumas regras podem sofrer alterações.

Precisa pagar para se inscrever no FIES?

Não. O candidato não precisa pagar nada para se inscrever no FIES. A inscrição é totalmente gratuita.

Se eu financiar só uma parte do curso, preciso pagar o restante da mensalidade?

Sim. O percentual da mensalidade que vai ser financiada pelo FIES é definida por meio de uma fórmula complexa que leva em conta fatores como a renda familiar e o comprometimento dessa renda com a mensalidade, entre outros.

A dívida desse financiamento só começa a ser quitada depois do término do curso, em parcelas mensais.

A outra parte da mensalidade, não financiada, deve ser paga normalmente pelo aluno durante o curso, diretamente para a faculdade.

Preciso pagar alguma coisa enquanto estiver na faculdade?

Sim. Fora a porcentagem da mensalidade não financiada (caso o financiamento não atinja 100%), o aluno tem que pagar também um boleto trimestral para o governo.

Esse boleto trimestral não pode ultrapassar um determinado valor, que varia a cada ano e depende do tipo de contrato assinado pelo estudante.

Quando vou começar a pagar a dívida do FIES

Até 2017, a dívida do FIES começava a ser paga um ano e meio após o término da faculdade. Durante esse período, chamado de prazo de carência, o aluno continuava pagando trimestralmente um valor referente aos juros do financiamento.

A partir de 2018, com as novas regras que entram em vigor, a dívida pode começar a ser quitada antes, a partir do momento que o estudante formado encontra um trabalho formal, com carteira assinada. Nesse caso, as parcelas são descontadas diretamente da folha de pagamento.

O valor das parcelas vai variar de acordo com fatores como o preço das mensalidades, a duração do curso, a renda do estudante, o percentual financiado, entre outros. Cada caso é um caso, mas não se preocupe. Todas essas regras estarão definidas e explicadas no contrato.

Quanto ao prazo de pagamento, isso também pode mudar conforme a duração do curso financiado, o tipo de contrato e a edição do FIES. Leia sempre tudo atentamente e mantenha-se informado sobre as regras na época em que você for pedir o benefício.

Qual a taxa de juros do FIES

Esse é outro ponto que vem sofrendo mudanças. O programa trabalhou nos últimos anos com uma taxa de juros fixa de 6,5% ao ano para todos os contratos. Mas a partir de 2018 não é mais assim.

Os contratos agora estão divididos em três modalidades. Um deles é para os alunos com renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa. Nessa modalidade não há cobrança de juros, somente de correção monetária (variação da inflação).

A segunda modalidade cobra juros de 3% ao ano, mais a correção monetária. Está destinada a estudantes com renda familiar bruta mensal de até cinco salários mínimos por pessoa e é voltada à população das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do país.

Sobre o terceiro tipo de contrato ainda não se sabe exatamente qual taxa de juros será aplicada. Provavelmente também estará destinado a alunos com renda familiar bruta mensal de até cinco salários mínimos por pessoa, com juros semelhantes aos aplicados até 2017 (6,5% ao ano).

Com tantas mudanças acontecendo no FIES, voltamos a enfatizar que é super importante ficar ligado nas regras de cada edição e nas cláusulas do contrato.

Quando se inscrever no FIES

O FIES abre inscrições duas vezes ao ano, uma por semestre. O período para se inscrever costuma ser curto, e por isso é bom já ter todos os documentos necessários separados, para poder preencher os formulários rapidamente pela internet e depois partir para validar tudo na faculdade a assinar o contrato no banco, caso seja selecionado.

Algumas faculdades que você pode financiar com o FIES

As faculdades que participam do FIES foram previamente avaliadas pelo MEC e receberam boas notas segundo os critérios de qualidade educacional utilizados pelo Ministério.

Esse fato garante o bom nível dos cursos e instituições participantes do programa e também a boa aceitação do seu diploma no mercado de trabalho.

A relação das faculdades que aderiram ao FIES é bastante extensa e cobre todas as regiões do Brasil, com cursos nas mais diversas áreas. Separamos aqui algumas opções, para que você já possa começar sua pesquisa.

Veja também:

Confira o calendário com as principais datas do FIES 2018

Solucionou suas dúvidas sobre o pagamento do FIES? Que curso está pensando em tentar? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin