dcsimg

Entenda como funcionam as bolsas remanescentes do ProUni

Veja como participar do processo seletivo que distribui as vagas remanescentes do Programa Universidade para Todos!

Às vezes, quando a gente pensa que o processo seletivo do Programa Universidade para Todos (ProUni) já terminou, vem o Ministério da Educação e lança uma surpresa!

Essa surpresa tem nome e sobrenome: bolsas remanescentes do ProUni. Elas são mais uma oportunidade de conquistar uma bolsa de estudos para enfim conseguir fazer o curso escolhido em instituição de ensino particular de qualidade!

Para concorrer a mais essa chance, que se abre após a seleção regular, é preciso ficar de antena bem ligada: o as inscrições abrem sem aviso prévio e as vagas são escassas. Por isso é preciso se antecipar para garantir a entrada.

Se você se interessou, não saia daí: a gente vai explicar rapidinho como funciona o sistema de bolsas remanescentes do ProUni e o que você precisa fazer para concorrer. Confira!

O que são as bolsas remanescentes do ProUni?

As bolsas remanescentes são aquelas que não foram ocupadas no decorrer do processo regular do ProUni. Ou seja: que por algum motivo acabaram sobrando.

Como o MEC tem interesse em que todas as vagas sejam ocupadas, oferece até algumas “regalias” e facilidades no processo – que normalmente é cheio de mil requisitos!

É uma chance tão boa que até que não fez o Enem mais recente pode participar.

Duvida? Pois veja os detalhes a seguir.

Quem pode participar da seleção por uma bolsa remanescente do ProUni?

Para garantir que todas as bolsas remanescentes sejam ocupadas, o MEC abre uma espécie de processo seletivo versão “mini”, digamos assim. É que nesse momento não tem aquela corrida a que já estamos acostumados, com notas de corte altíssimas, cotas, etc.

Aqui a sistemática é um pouco mais tranquila. Tanto que o MEC abre exceção até quanto à edição do Enem – algo tão rigoroso no processo tradicional.

No entanto, alguns velhos requisitos continuem firmes e fortes.

Veja o que é preciso para participar:

  • Ter feito qualquer edição do Enem partir de 2010 e obtido pelo menos 450 pontos na média das provas e nota acima de zero na redação.
  • Apresentar renda familiar bruta mensal de no máximo 3 salários mínimos per capita.
  • Ter feito todo o ensino médio em escola da rede pública ou em escola da rede particular na condição de bolsista integral.

Pessoas com deficiência podem participar sem precisar se encaixar em todos os requisitos de formação.

O mesmo vale para professores da rede pública de ensino, que podem solicitar o ProUni em cursos de licenciatura destinados à atuação na educação básica. Eles não precisam, necessariamente, ter feito o Enem para concorrer. Também não precisam atender ao requisito de renda familiar.

O processo seletivo de bolsas remanescentes é vetado àqueles que já foram aprovados no ProUni regular.

Quando acontece o processo seletivo das bolsas remanescentes do ProUni?

A data varia muito de ano para ano e é preciso ficar de olho no cronograma divulgado pelo MEC.

No geral, a seleção das bolsas remanescentes abre alguns meses depois do ProUni regular.

Por exemplo: o ProUni do primeiro semestre acontece geralmente no final de janeiro. O de bolsas remanescentes só surge em março ou no começo de abril – mais de 60 dias depois.

Ou seja: quando você imaginava que aquela edição do ProUni já era, vem o MEC e chega com mais uma novidade.

O prazo das inscrições muda de acordo com perfil do candidato e é mais ou menos assim:

  • Inscrição com duração de 10 dias, em média, para candidatos que ainda não estão matriculados na faculdade onde querem obter a bolsa.
  • Inscrição com duração de 40 dias, em média, para quem já está matriculado na faculdade onde quer obter a bolsa.

No primeiro semestre de 2017, por exemplo, as inscrições abriram no dia 27 de março e permaneceram disponíveis até o dia 5 de abril para o primeiro caso e até 5 maio para o segundo!

Como concorrer a uma bolsa remanescente do ProUni

É bem fácil disputar uma bolsa remanescente do ProUni. Tudo é feito pela internet, sem qualquer custo.

O candidato só precisa:

  • Acessar a página do ProUni durante o processo seletivo
  • Informar CPF e data de nascimento – com isso o sistema verifica se o candidato já fez algum Enem e se tem pontuação suficiente para participar.
  • O professor da rede pública precisa indicar a profissão no campo correspondente – já que não precisa de Enem para participar.
  • A pessoa com deficiência também precisa indicar sua condição no sistema de inscrição.

Como é o processo seletivo de uma bolsa remanescente do ProUni

O processo nesse caso é bem diferente do regular. Ao acessar o sistema de inscrições, o candidato vai poder verificar quais são os cursos disponíveis e as instituições participantes.

Basta escolher um curso da lista e o candidato automaticamente já ganha o que o MEC chama de “expectativa de direito à bolsa”.

O próximo passo é levar toda a documentação comprobatória à instituição onde a bolsa está disponível.

Se o candidato comparecer no prazo e atender aos requisitos, ganha a bolsa. Caso contrário, ele é reprovado e a bolsa retorna ao sistema.

O MEC aconselha a todos os inscritos a monitorar o sistema periodicamente, já que as bolsas podem aparecer e desaparecer, de acordo com a comprovação de dados dos candidatos anteriores.

Onde conseguir uma bolsa remanescente do ProUni

A lista com os cursos e instituições participantes muda a cada novo processo de bolsa remanescente. O candidato precisa fazer a inscrição para ter acesso aos dados exatos.

O que se sabe é que o MEC só permite a participação de instituições bem avaliadas. Por isso, pode ir tranquilo: seu diploma será bem aceito no mercado de trabalho!

Conheça algumas instituições que participam do ProUni e têm chances de aparecer entre aquelas que oferecem bolsas remanescentes:

Veja também:

Saiba quais os documentos necessários para o ProUni

O que achou das bolsas remanescentes do ProUni? Vai tentar descolar uma? Conte para a gente nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin