dcsimg

Descubra como funcionam as cotas do ProUni

Entenda as regras do ProUni que definem a distribuição de vagas para cotistas e veja se você pode concorrer nesta categoria!

Desde a sua criação, em 2004, o Programa Universidade para Todos (ProUni) já beneficiou mais de 2 milhões de estudantes brasileiros com bolsas de estudos em faculdades de todo o País.

Essa iniciativa do Governo Federal é destinada à população que mais precisa de ajuda para cursar o ensino superior. O ProUni usa a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) para classificar candidatos a bolsas parciais e integrais em cursos presenciais e a distância de instituições bem avaliadas pelo Ministério da Educação (MEC).

O processo é totalmente automatizado e os candidatos que cumprirem os requisitos de participação devem escolher, no sistema de inscrições, duas opções entre as vagas disponíveis. É necessário selecionar, além da faculdade, campus, curso e turno, em qual modalidade deseja disputar a vaga: ampla concorrência ou ações afirmativas (cotas).

Entenda, a seguir, como funcionam as cotas do ProUni: de que tipo são, quem pode concorrer como cotista, quantas vagas são disponibilizadas a cada edição e que tipo de documento o candidato precisa providenciar.

Quais são os tipos de cota do ProUni

O ProUni reserva uma parte de suas vagas para:

  • Pessoas com deficiência
  • Negros
  • Pardos
  • Indígenas

O ProUni não tem cotas para pessoas de baixa renda, como no Sisu?

Não. O ProUni já é voltado para a população que tem uma condição econômica menos favorecida, com renda familiar bruta mensal de no máximo três salários mínimos por pessoa.

Candidatos com renda familiar de até 1,5 salário mínimo por pessoa podem concorrer a uma bolsa integral, que cobre 100% da mensalidade do curso. Quem tem renda familiar mensal de até 3 salários mínimos por pessoa pode concorrer a uma bolsa parcial, que cobre metade da mensalidade.

Quantas vagas o ProUni reserva para as cotas?

O ProUni acontece duas vezes por ano, no primeiro e no segundo semestre. O número de bolsas disponíveis varia a cada edição, assim como as vagas para cotistas.

O que se sabe é que a quantidade de bolsas destinadas a pretos, pardos e indígenas é proporcional à representação dessa população em cada estado, de acordo com o mais recente censo do IBGE.

Você poderá consultar todas as vagas disponíveis para cotistas um pouco antes e durante as inscrições do ProUni.

Quem pode concorrer a uma vaga reservada às cotas do ProUni

Pode concorrer como cotista o candidato que cumprir os requisitos de renda familiar mensal (máximo de 3 salários mínimos por pessoa), for pessoa com deficiência, preto, pardo ou indígena e:

  1. Não tiver diploma de nível superior.
  2. Tiver participado do Enem mais recente, com pelo menos 450 pontos na média das provas e nota superior a zero na redação.
  3. Ter feito todo o ensino médio em escola pública ou em particular como bolsista integral.

Professores da rede pública de ensino, integrantes do quadro permanente de funcionários, exercendo efetivamente o magistério, também podem concorrer ao ProUni. Nesse caso, não precisam comprovar renda.

Como funciona a concorrência por cotas no ProUni?

No ProUni, a disputa acontece somente entre os candidatos que escolheram exatamente as mesmas opções de:

  • Curso
  • Faculdade
  • Campus
  • Turno
  • Modalidade de concorrência

Ou seja, cotista só concorre com cotista, e ainda assim para o mesmo curso, faculdade, turno e campus. Isso não significa que seja muito mais fácil entrar por cotas. Em alguns casos, a nota de corte (nota mínima para ser selecionado) pode ser até mais alta nessa modalidade!

Documentos que o cotista precisa apresentar no ProUni

Para fazer a inscrição do ProUni, o candidato que se encaixa no critério de cotas não precisa apresentar nenhuma documentação.

Essa comprovação só é necessária caso o estudante seja selecionado para uma bolsa, e ainda assim em condições bem específicas.

Os critérios de raça são autodeclaratórios, ou seja, pretos, pardos e indígenas não precisam apresentar documentos para comprovar sua etnia.

Já os candidatos com deficiência precisam, na etapa de comprovação de documentos para fazer a matrícula, apresentar laudo médico atestando o tipo e grau de deficiência, com o código correspondente da Classificação Internacional de Doença (CID).

Onde estudar com bolsa do ProUni

Somente faculdades reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC podem oferecer bolsas pelo ProUni. Conheça algumas que costumam participar:

Veja também:

Quantos pontos preciso tirar no Enem para conseguir o ProUni? 

Ficou mais claro como funcionam as cotas do ProUni? Se tem alguma dúvida, compartilhe com a gente nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin