dcsimg

Conheça todas as mudanças que afetarão o FIES em 2018

O Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) é uma iniciativa do governo federal que facilita o acesso de estudantes de baixa renda ao ensino superior privado por meio empréstimos a juros baixos e prazo longo para pagar a dívida.

Até pouco tempo, todos os que cumpriam os requisitos de participação conseguiam o financiamento. No entanto, o orçamento foi limitado e as vagas também. Em 2015, o FIES virou um processo seletivo que usa como critério de classificação a nota do Enem. E as mudanças não pararam mais de acontecer! Praticamente todo ano tem uma novidade.

Em 2018, o FIES passará por mais uma série de mudanças que vão desde os requisitos para se inscrever até os tipos de contrato e as taxas de juros.

Confira o guia que preparamos sobre o FIES 2018 e descubra o que mudou. Assim você fica bem preparado para concorrer ao benefício. Vamos lá?

Veja o que muda no FIES a partir de 2018

Com o FIES, a gente só descobre os detalhes exatos sobre critérios de participação e regras de pagamento quando sai o edital de cada edição (são duas por ano).

Aqui você vai ver um apanhado do que o Ministério da Educação (MEC) já divulgou sobre o que vai mudar no FIES a partir de 2018. São sete itens principais. Confira:

Renda familiar

Até o segundo semestre de 2017, só podia participar do processo seletivo do FIES quem tinha renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa.

No FIES 2018, o teto de renda familiar varia de 3 a 5 salários mínimos por pessoa, dependendo do tipo de contrato.

Tipos de contrato

Até o FIES 2017, havia apenas um tipo de contrato que deveria ser assinado por todos os candidatos. A partir de 2018, serão oferecidos três tipos de contratos de acordo com o perfil do estudante (vamos falar deles mais adiante).

Valor das parcelas

As parcelas mensais que o beneficiário do FIES tem que pagar variam caso a caso e dependem de variáveis como o percentual financiado, o valor total da mensalidade do curso e a fase de pagamento.

Porém até 2017 o valor da parcela de quitação da dívida não dependia do comprometimento de renda.

A partir de 2018, o FIES não poderá cobrar parcelas maiores do que 10% da renda mensal do contratante.

Carência

O período de carência é um tempo dado ao estudante para que ele possa se organizar financeiramente e começar a quitar a dívida. Até 2017, esse prazo era de 18 meses após a formatura.

Com o novo FIES, o contratante começará a pagar a dívida assim que conseguir um emprego formal (com carteira assinada) após o término do curso. As parcelas poderão ser deduzidas diretamente do salário.

Juros

O contrato único das edições do FIES até o fim de 2017 previa juros de 6,5% ao ano.

No FIES 2018, as taxas de juros vão depender do tipo do contrato selecionado. Em uma das modalidades, por exemplo, haverá juro zero e a dívida será corrigida somente pela inflação.

Valor financiado

Quanto ao valor do financiamento, essa informação era divulgada levando em conta somente os números de cada semestre.

No novo FIES, o candidato já saberá o valor total do contrato por toda a graduação.

Limite da mensalidade

Até o FIES de 2017, o valor máximo mensal de financiamento para um curso era de R$ 5 mil. Os novos contratos não preveem valores máximos.

Novos tipos de contrato do FIES a partir de 2018

Como você viu acima, o FIES vai trabalhar com três tipos de contrato a partir de 2018.

O primeiro tipo oferece juro zero e é disponibilizado a candidatos com renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa.

O segundo tipo de contrato é pensando para residentes das regiões Norte, Nordeste e Centro Oeste do país com renda familiar bruta mensal de até cinco salários mínimos por pessoa. Nessa modalidade, os juros são de até 3% ao ano, mais a correção monetária .

O terceiro contrato tem mais a ver com quem vai bancar o financiamento (governo ou bancos, por exemplo). As regras e juros para essa modalidade ainda não foram definidos.

Quem pode se inscrever no FIES 2018?

Para se inscrever no processo seletivo do FIES 2018 é necessário obedecer aos seguintes critérios:

  1. Ter obtido pelo menos 450 pontos na média das provas e não ter zerado a redação do Enem. Pode ser usada qualquer edição do Exame a partir de 2010.
  2. Possuir renda familiar bruta mensal de até 3 salários mínimos por pessoa ou até 5 salários mínimos por pessoa, dependendo do tipo de contrato.

NÃO pode participar do programa o candidato que:

  • Estiver com a matrícula trancada
  • Já estiver usando o FIES para financiar outro curso
  • Estiver inadimplente com o Programa de Crédito Educativo (PCE / CREDUC)
  • For bolsista integral do ProUni
  • For bolsista parcial do ProUni em outro curso que não o da inscrição do FIES

Faculdades que aceitam o FIES

Para oferecer vagas em suas graduações pelo FIES, as instituições de ensino devem sem bem avaliadas e reconhecidas pelo MEC. A lista de universidades participantes e cursos disponibilizados varia de acordo com o semestre.

Dê uma olhada em exemplos de faculdades que costumam participar do programa:

Veja também:

Documentos para o FIES

Está se preparando para tentar uma vaga em algum curso pelo FIES 2018? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin