dcsimg

Veja as respostas para 16 perguntas frequentes sobre ProUni

O Programa Universidade para Todos é cheio de detalhes. Para você não ter dor de cabeça, a gente traz tudo mastigadinho. Confira!

O ProUni é um dos maiores processos seletivos do Brasil. Todos os anos são distribuídas mais de 200 mil bolsas de estudos para que estudantes de baixa renda tenham acesso ao ensino superior.

O Programa oferece bolsas integrais e parciais em cursos de todas as áreas do conhecimento – tem de Medicina a Artes Plásticas, Engenharia, Pedagogia, Biologia, Química, Direito e muito mais!

Tamanha oferta desperta o interesse de muita gente. Só que conseguir uma bolsa pelo ProUni não é tão fácil quanto se imagina. Existem, por exemplo, vários requisitos de participação. As bolsas são distribuídas de acordo com a renda, nem todo curso tem vaga disponível naquela edição e por aí vai.

São muitas questões que pairam na cabeça dos futuros candidatos. Para dar aquela ajudinha a gente fez o texto a seguir, no qual respondemos, de forma rápida e prática, às perguntas mais frequentes que todo mundo faz quando ouve falar do ProUni. Acompanhe!

1. Todo mundo pode fazer o ProUni?

Pode, desde que atenda aos critérios estabelecidos pelo MEC, que são:

  1. Não ter diploma de nível superior.
  2. Ter feito o Enem mais recente e apresentar média das provas igual ou maior que 450 pontos, sem ter zerado a redação.
  3. Comprovar renda familiar bruta mensal de no máximo 3 salários mínimos por pessoa.

Além disso, é preciso se encaixar em uma das condições a seguir:

  • Ter feito todo o ensino médio em escola pública ou em particular como bolsista integral.
  • Ser pessoa com deficiência.
  • Ser professor da rede pública de ensino básico concorrendo a uma bolsa em curso de licenciatura (nesse caso não é necessário comprovar renda).

2. Como o ProUni seleciona os estudantes?

O ProUni seleciona candidatos a partir da nota do Enem – quanto mais alta, maiores as chances de ganhar uma bolsa.

A disputa acontece somente entre quem escolhe o mesmo curso, turno, faculdade, unidade e modalidade de concorrência (cotas ou não).

3. É difícil passar no ProUni?

Não vamos mentir: conseguir uma vaga no ProUni pode ser bem difícil, dependendo da sua escolha. Cursos como Medicina, Odontologia e Engenharia, por exemplo, podem exigir uma média altíssima no Enem – chegando próxima a 800 pontos.

Porém, como nem tudo é pedreira, existem sim cursos que são mais fáceis de entrar. Com uma média de 600 pontos, por exemplo, é possível conseguir vagas em diversas graduações.

Já em alguns cursos de licenciatura (que formam professores), de tecnólogo (que são mais curtos) e a distância dá para encontrar opções com a nota mínima (450 pontos) ou pouco acima dela.

4. Que tipo de bolsa o ProUni oferece?

No ProUni são oferecidos dois tipos de bolsa: integral e parcial. Entenda a diferença:

  • As bolsas integrais são distribuídas a alunos que têm renda familiar bruta mensal de no máximo 1,5 salário mínimo por pessoa. Nesse caso, toda a mensalidade do curso, até o final, é bancada pelo Governo Federal. O aluno só precisa se preocupar em estudar bastante e se sair bem. As bolsas integrais respondem por 70% de todos os benefícios concedidos pelo ProUni até hoje.
  • As bolsas parciais pagam metade da mensalidade do curso. São destinadas a candidatos que apresentam renda familiar bruta mensal per capita entre 1,5 e 3 salários mínimos. O restante da mensalidade é o aluno quem paga.

5. Quando acontece o ProUni?

O processo seletivo do ProUni abre duas vezes ao ano. A primeira edição, que também é a maior, ocorre em janeiro. Quem não passar nessa pode tentar bolsa na edição do segundo semestre, que é realizada entre os meses de junho e julho.

Em ambos os casos os critérios de participação são os mesmos.

6. Tem cotas no ProUni?

Sim, o ProUni oferece vagas por cotas para negros, pardos, indígenas e pessoas com deficiência.

Não tem, como no Sisu, vagas reservadas para alunos de escola pública, pois o ProUni já é destinado a essa parcela da população.

7. É bem mais fácil passar no ProUni por cotas?

Não. As cotas, na maioria dos casos, têm notas de corte muito similar às da livre concorrência. Em alguns casos, inclusive, podem até superar.

8. Tem outra alternativa de concorrer no ProUni sem ter que usar o Enem?

Não. O critério inicial do ProUni é somente a nota do Enem. As demais exigências, como renda familiar e escolaridade, precisam ser comprovadas mais adiante, caso o candidato consiga a bolsa.

9. Pode usar outras edições do Enem no ProUni?

Não. O ProUni é bem claro quanto a esse quesito: todos os participantes devem ter feito o Enem mais recente e ponto final.

O único programa de acesso ao ensino superior do Governo Federal que permite o uso de outras edições do Enem é o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES), do qual vamos falar mais adiante.

10. Posso cursar uma universidade pública e ter uma bolsa do ProUni ao mesmo tempo?

Não. O Governo Federal proíbe que um mesmo aluno faça uso desses dois benefícios ao mesmo tempo. Quem ganhar bolsa do ProUni enquanto estiver matriculado na universidade pública, ou passar na universidade pública enquanto for bolsista do ProUni terá que abrir mão de um dos dois.

11. Posso usar o ProUni com algum outro programa educacional do Governo Federal?

Sim, mas somente os alunos contemplados com bolsas parciais. Eles podem entrar na disputa por um FIES para ajudar a financiar a outra metade do curso que o ProUni não paga. A condição é que a soma dos dois benefícios não ultrapasse o valor da mensalidade com desconto.

O FIES oferece juros baixos e prazo longo para quitação do crédito estudantil.

Para conseguir o financiamento será necessário encarar outro processo seletivo bastante concorrido. A diferença aqui é que o candidato pode usar a nota de qualquer edição do Enem a partir de 2010 para participar.

Alguns requisitos são idênticos, como a nota mínima de participação (450 pontos na média das provas e acima de zero na redação) e a renda familiar bruta mensal a ser apresentada, que é de no máximo 3 salários mínimos por pessoa.

12. Quanto custa para se inscrever no ProUni?

Nem um centavo. O processo seletivo é totalmente gratuito. Se alguém cobrar de você, desconfie.

13. Como faz para participar do processo seletivo do ProUni?

Para participar do ProUni é preciso acessar o site oficial do Programa durante o processo seletivo, preencher algumas informações e escolher a vaga desejada.

Veja como é simples:

  1. Quando abrirem as inscrições, acesse o site oficial do ProUni.
  2. Informe seu número de inscrição do Enem mais recente e a senha.
  3. Busque duas opções de curso, turno, instituição, unidade/campus (se for o caso) e modalidade de disputa (cotas ou livre concorrência).

Durante o processo seletivo você pode mudar de opção quantas vezes quiser. O sistema irá levar em conta apenas a sua última alteração.

14. Quantas chances o candidato do ProUni tem de ganhar a bolsa?

A cada edição do programa os candidatos têm três chances de ganhar a bolsa: são duas chamadas regulares e uma lista de espera.

Caso não seja chamado na edição em que concorreu, o candidato poderá se inscrever novamente no próximo processo seletivo.

15. O que é preciso fazer quando se ganha uma bolsa do ProUni?

Depois que é aprovado no ProUni, independentemente se for na primeira chamada, na segunda ou por lista de espera, o candidato tem um prazo de poucos dias para ir até a faculdade onde ganhou a bolsa e apresentar os documentos comprobatórios (identidade, comprovantes de renda, de escolaridade, etc.) solicitados pelo MEC para efetivar a participação no Programa e começar a usar sua bolsa de estudos.

16. Onde é possível estudar com bolsa do ProUni?

O ProUni oferece bolsas em instituições bem avaliadas pelo MEC por todo o país. Separamos algumas sugestões de faculdades bacanas para você levar em conta no próximo processo seletivo:

Veja também:

Descubra como fazer transferência de curso pelo ProUni

Está a fim de fazer o ProUni? Conte para a gente em qual curso você gostaria de descolar uma bolsa!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin