dcsimg

Descubra qual faculdade você deve fazer

São tantas, mas tantas opções que é fácil perder o foco. Veja a seguir algumas dicas de como encontrar a faculdade ideal para você!

Quantas faculdades existem no Brasil? Segundo o último Censo da Educação Superior, mais de 2.300!

É muita coisa! Se considerarmos a quantidade de cursos que todas elas, juntas, oferecem, chegamos a um número superior a 33 mil.

Para quem ainda não sabe qual faculdade fazer, escolher entre tantas opções pode ser paralisante.

Mas a gente vai dar uma forcinha com as dicas a seguir. Elas vão ajudar você a escolher a faculdade, a modalidade e o tipo de formação ideal para o seu perfil. Confira!

Dicas para descobrir qual faculdade você deve fazer

Preparamos 6 dicas simples para ajudar você a encontrar a faculdade perfeita!

1. Antes de tudo, defina o curso que você quer fazer

Se você ainda não sabe o curso que quer fazer, é bom já começar a pesquisar as opções.

O primeiro passo deve ser encontrar a área de que você mais gosta: Saúde? Exatas? Humanas?

Depois, vá “afunilando” a busca.

Por exemplo: se você definiu que quer seguir na área de Saúde, pesquise os cursos a seguir e decida aquele que se encaixa melhor nos seus objetivos:

  • Medicina
  • Odontologia
  • Enfermagem
  • Nutrição
  • Psicologia
  • Biomedicina
  • Farmácia
  • Fisioterapia
  • Fonoaudiologia
  • Radiologia
  • Educação Física
  • Estética e Cosmética

Dá para seguir o mesmo raciocínio se você tem mais vontade de seguir a área de Ciências Exatas, Humanas, Sociais, Artes, Gestão e Negócios, alguma Engenharia, etc.

2. O próximo passo é encontrar a faculdade que você deve fazer

Assim que definir o curso, é hora de buscar a faculdade ideal. O caminho para isso é avaliar os itens que tornam aquela instituição perfeita para você.

Leve em conta fatores como:

  • A faculdade tem o curso que você procura?
  • Fica perto de sua casa?
  • É autorizada e bem avaliada pelo Ministério da Educação (MEC)?
  • A mensalidade está dentro do que você pode pagar?
  • Você está estudando para superar a concorrência (principalmente no caso das públicas) e garantir uma vaga no curso desejado?
  • O curso é oferecido na modalidade de estudo que tem a ver com a sua rotina?

Desses pontos, todos os itens podem ser negociáveis, dependendo do contexto, exceto um: a avaliação junto ao MEC.

Entenda por que você não pode abrir mão desse quesito:

  • A faculdade de sua escolha deve, obrigatoriamente, ter autorização do MEC para funcionar. Se não tiver, nem prossiga com o vestibular ou a matrícula. Fazer um curso sem esse aval é o mesmo que jogar dinheiro fora. Somente diplomas emitidos por faculdades autorizadas pelo MEC são reconhecidos no mercado e poderão ser usados para fazer pós-graduações, registro profissional da categoria ou se inscrever em concursos públicos de nível superior.
  • A avaliação é outro aspecto importante. Periodicamente, o MEC analisa quesitos como infraestrutura geral da instituição, nível de formação dos professores, qualidade dos laboratórios, nível de conhecimento dos alunos ao sair da faculdade, etc. Todos esses detalhes se revertem em indicadores conhecidos como Conceito de Curso (CC), Conceito Preliminar de Curso (CPC), Índice Geral de Curso (IGC), Conceito Institucional (CI) e nota no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade). Cada conceito recebe uma nota que varia de 1 (insatisfatório) a 5 (excelente). Quanto maior a nota da faculdade em cada um desses quesitos, melhor! Procure instituições e cursos que tenham nota a partir de 3 – essa pontuação significa que a faculdade ou curso atende plenamente aos critérios de qualidade do MEC.

Você pode verificar gratuitamente o desempenho da faculdade desejada na plataforma e-MEC.

3. Fique de olho no tipo de formação que o curso oferece

Um curso superior pode ser oferecido em um ou mais destes principais graus de formação:

Bacharelados: são formações mais generalistas, que preparam o aluno para atuar em diversas áreas do mercado de trabalho. Como exemplo podemos citar Medicina, Comunicação Social, Psicologia, Direito, Administração, Ciências Contábeis, Engenharia, etc.

Licenciaturas: são cursos voltados para a formação de professores e gestores escolares do ensino fundamental e médio. Exemplo: Letras, Geografia, Matemática, Ciências Biológicas, Pedagogia, etc.

Tecnológicos: são cursos superiores de curta duração, voltados à formação de profissionais especializados para suprir necessidades do mercado de trabalho. Exemplo: Gestão de Recursos Humanos, Design de Interiores, Empreendedorismo, Gestão Financeira, etc.

A gente recomenda ficar de olho nesse detalhe porque alguns cursos podem ser oferecidos em duas modalidades, e cada uma tem uma formação bem diferente da outra. É o caso, por exemplo, de Educação Física, Ciências Sociais, Química, História, Filosofia, Matemática, Gastronomia, Design, Letras e tantos outros. Analise bem o curso desejado para fazer a escolha certa, ou seja, aquela que vai ajudá-lo a atingir seus objetivos de carreira.

4. Escolha uma faculdade que ofereça a modalidade de ensino adequada às suas necessidades

No Brasil é possível encontrar cursos superiores em três formatos distintos:

Presencial: é o modelo tradicional, com aulas na faculdade todos os dias em horários fixos – aquele mesmo que todo mundo já conhece.

A distância: são cursos ministrados por meio da internet, com a ajuda de um ambiente virtual de aprendizagem. Existem alguns encontros presenciais ao longo do semestre, mas são bem poucos – normalmente para fazer provas finais ou apresentar trabalhos.

Semipresencial: é um formato que mistura o melhor dos cursos a distância com o melhor dos presenciais. Aqui o aluno faz uma parte das disciplinas por meio do ambiente virtual de aprendizagem e a outra acontece presencialmente, em um campus ou polo de apoio da faculdade.

Cursos a distância e semipresenciais são encontrados com mais facilidade em faculdades privadas. As públicas também têm essas modalidades, mas em número bem menor.

5. Está na dúvida entre faculdade particular ou pública? Veja como escolher!

As universidades públicas representam pouco mais de 10% de todas as instituições superiores de ensino existentes no Brasil. Em números precisos, isso significa que das 2.364 faculdades existentes no Brasil, apenas 295 entram nessa categoria.

Como estão em um número bem menor, as universidades públicas não conseguem atender à toda demanda de alunos interessados e acabam se tornando ultra concorridas.

As vantagens de uma universidade pública são conhecidas há muito tempo: qualidade de ensino, gratuidade e reconhecimento no mercado. As desvantagens também: alta concorrência, localização, modernização lenta.

Por outro lado, as particulares têm se tornado cada vez mais interessantes. Com boa qualidade de ensino, multiplicam-se pelo país afora, chegando até a cidades que nunca haviam sonhado em abrigar uma instituição de ensino superior antes.

Nas particulares, as vantagens são as seguintes:

  • Cursos em diversos formatos (presencial, semipresencial, a distância)
  • Grande oferta de graduações
  • Mais fáceis de encontrar, por meio de polos de apoio presencial espalhados por todos os estados brasileiros

A desvantagem, aqui, pode ficar por conta das mensalidades (às vezes até as mais baixas podem ser um fator complicador, dependendo do bolso do aluno).

Para sanar esse problema, existem algumas alternativas interessantes:

  • Bolsas de estudos da própria faculdade: muitas instituições têm programas de bolsas de estudos para alunos que apresentam um bom desempenho no vestibular ou acadêmico.
  • ProUni: O Programa Universidade para Todos, do Governo Federal, concede bolsas de estudos parciais e integrais a alunos de baixa renda. Pode concorrer ao benefício quem se encaixar nos critérios de desempenho no Enem mais recente, formação escolar e renda familiar.
  • FIES: O Fundo de Financiamento Estudantil é um mecanismo do Governo Federal que facilita o pagamento das mensalidades de um curso superior. A dívida só começa a ser quitada depois da formatura, com juros baixos e prazo a perder de vista. Para participar é preciso ter feito qualquer Enem a partir de 2010, atingir a média necessária e atender aos critérios de renda.
  • Descontos e facilidades: Quem paga a mensalidade em dia geralmente ganha um bom desconto no boleto. O mesmo acontece para aqueles que estão fazendo uma segunda graduação, entraram por meio de transferência, indicaram amigos, trabalham em uma empresa conveniada, etc. Cada instituição tem sua política de descontos e facilidades. Consulte o local onde você quer estudar para saber mais.

6. Precisa de sugestões? Então conheça algumas faculdades reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC

Veja a seguir algumas faculdades reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC que oferecem cursos superiores em diversas áreas do conhecimento e em diferentes formatos de ensino:

Veja também:

Descubra como conseguir um desconto na faculdade

Tem mais alguma dica para compartilhar? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin