dcsimg

A história e a evolução da Engenharia da Produção

A Engenharia de Produção surgiu para melhorar e tornar os processos industriais mais econômicos. Entenda sua história e desenvolvimento no Brasil e no mundo!

A Revolução Industrial e as Origens da Engenharia de Produção no Mundo

Máquina a Vapor

A Engenharia de Produção tem a sua origem no século XIX, aproximadamente a 100 anos atrás, com o estabelecimento da chamada Revolução Industrial.

A revolução industrial, através do surgimento de novas e poderosas máquina industriais movidas a vapor, proporcionou que uma grande quantidade de produtos fossem produzidos ao mesmo tempo (em escala) e a preços muito mais baratos, como nunca se viu na história humana.

Quanto mais as máquinas e a revolução industrial se espalhavam pelo mundo, mais e mais concorrentes se somavam fabricando os mesmos produtos, começou a surgir daí a necessidade de se tornar a produção mais eficiente.

Quando as indústrias começaram a buscar a qualidade e a eficiência, surgiu a Engenharia de Produção.

No início do século XX, com a massificação do consumo, com cada vez mais pessoas entrando para a Classe Média Urbana, a evolução da Engenharia de Produção se intensificou e surgiram as primeiras faculdades de graduação em Engenharia de Produção do mundo.

O Curso de Engenharia de Produção foi criado com base na grade de Administração de Empresas e inicialmente também na Engenharia Mecânica. Pois almejava dois pontos de interesse: o conhecimento técnico, e as habilidades de gestão.

Como ainda não existiam circuitos eletrônicos ou computadores nesta época, a principal preocupação da engenharia de produção era a implementação de linhas de produção industrial mecânica.

Alguns fatores culturais e históricos que contribuíram para a evolução da Engenharia de Produção neste período:

  • Na América, após as 2 Guerras Mundiais, devido a experiência do esforço de guerra para produzir veículos e armas em grande quantidade e velocidade, surgiu na indústria o conceito de Qualidade & Produtividade (Q&P). Segundo este conceito, as empresas deveriam ser capazes de produzir o melhor produto possível no menor tempo possível para superar seus concorrentes.
  • Pensadores, teóricos e empresários começaram a produzir uma enorme quantidade de material relativo a Engenharia de Produção neste período, relatando suas técnicas e experiências empresariais. Henry Ford (criador da linha de produção e do Fordismo), F.W.Taylor (criador do Taylorismo) e Taichii Ohno (criador do Toyotismo) todos escreveram suas obras nesta época.
  • Na década de 1950, quando as grandes corporações do mundo desenvolvido começaram a expandir as suas operações para o mundo pobre, aproveitaram a chance para construir fábricas novas e aplicar os conceitos da Engenharia de Produção nas novas unidades.

A Evolução da Engenharia de Produção no Brasil

A Engenharia de Produção começa a ser aplicada e estudada no Brasil justamente na década de 50, com a chegada das grandes multinacionais.

Muitas dessas empresas possuíam em seus quadros funcionários com o cargo “Industrial Engineer” (em Português, Engenheiro Industrial, nome pelo qual os Engenheiros de Produção são conhecidos na América), inicialmente estes profissionais vinham de outros países para trabalhar no Brasil, pois não havia essa graduação de engenharia por aqui, mas aos poucos os cursos de Engenharia de Produção foram surgindo.

A primeira universidade que teve o curso de Engenharia de Produção em sua grade de cursos foi a Escola Politécnica da USP. O curso, inaugurado no ano de 1957, foi coordenado pelo professor e engenheiro Ruy Aguiar da Silva Leme.

Com a chegada da grande fábrica da Volkswagen na década de 60, em São Bernardo do Campo, a FEI ( Faculdade de Engenharia Industrial ) de São Bernardo também inaugurou seu curso de Engenharia de Produção em 1967.

No Brasil, assim como em diversos países do mundo, existem atualmente vários tipos diferentes de cursos de Engenharia de Produção. Eles se dividem entre o curso “pleno” que envolve todas as áreas industriais até os cursos com ênfases específicas.

Há também muitas opções de pós-graduação e especialização para todo tipo de perfil profissional, fazendo da engenharia de produção uma das áreas de engenharia mais amplas atualmente do mercado.

Confira abaixo a relação dos principais tipos de curso de Engenharia de Produção que temos no Brasil e as relações entre eles (a relação com Administração de Empresas também foi incluída):

Ênfases da Engenharia de Produção

É interessante notar que o curso de Engenharia de Produção Plena (o curso tradicional, bacharelado) está inserido tanto no contexto da gestão, quanto no contexto da engenharia (meio termo).

O curso de administração de empresas, que está a esquerda, está totalmente inserido na área de gestão e as ênfases do curso de engenharia de produção, que estão a direita, estão muito mais contextualizadas com a engenharia do que com a gestão.

Confira abaixo um quadro completo, com a quantidade e os tipos de cursos de Engenharia de Produção que existem atualmente no Brasil:

Engenharia de Produção – Tipos e Quantidade de Cursos
Quantidade de Faculdades que Oferecem o Curso
Engenharia de Produção (Bacharelado) 51
Engenharia de Produção Mecânica 21
Engenharia de Produção Civil 11
Engenharia de Produção Elétrica 8
Engenharia de Produção Agroindustrial 7
Engenharia de Produção Química 4
Engenharia de Produção Metalúrgica 3
Engenharia de Produção de Tecnologias Ecológicas 1
Engenharia de Produção de Software 1

Fonte: Revista Pesquisa e Tecnologia, FEI, 2002

Com a evolução e sofisticação dos conceitos da Engenharia de Produção, foram abertos os primeiros cursos de doutorado na área em meados da década de 70. Tais cursos foram disponibilizados pela Escola Politécnica da USP, em São Paulo, e também pela UFRJ no Rio de Janeiro, ambos sendo abertos em 1972.

Atualmente, 50 anos após a inauguração dos primeiros cursos de Engenharia de Produção, o Brasil é referência em qualidade industrial e possui excelência tecnológica de produção em diversas áreas, tais como produção de aviões e também exploração de petróleo.

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin