dcsimg

Descubra o que faz um endocrinologista e como se tornar um

Endocrinologista é o médico que cuida das alterações de glândulas e hormônios. Saiba mais sobre essa profissão e o que estudar para ingressar na carreira!

Os hormônios ativam e regulam atividades essenciais do nosso corpo. Zelar por seu bom funcionamento é o papel do endocrinologista.

Esse profissional trabalha com distúrbios hormonais diversos, de peso e de crescimento, entre muitos outros.

A Endocrinologia é uma especialidade médica relativamente nova – só chegou ao Brasil nos anos 1980 – e por isso ainda gera algumas dúvidas. Mas não se preocupe. Vamos explicar o que faz esse médico e o caminho que precisa ser percorrido para se tornar um endocrinologista!

O que faz um endocrinologista

O endocrinologista é o médico que cuida do sistema endócrino e suas secreções. Sistema endócrino é aquele formado pelas glândulas endócrinas, como tireoides, hipófise, pâncreas, testículos e ovários. E suas secreções nada mais são do que os chamados hormônios.

Quando as glândulas endócrinas sofrem alguma alteração, isso se reflete na produção de hormônios. Essas alterações hormonais são responsáveis por uma série de doenças e distúrbios em nosso corpo. Os hormônios regulam, por exemplo, funções tão importantes como o crescimento e a reprodução. Veja alguns dos problemas mais comuns causados pela falta ou excesso de hormônios:

  • Obesidade
  • Diabetes
  • Hipotireoidismo
  • Hipertireoidismo
  • Ovários policísticos
  • Andropausa
  • Menopausa
  • Osteoporose
  • Disfunções do crescimento

O endocrinologista pode trabalhar em postos de saúde, hospitais e clínicas, na rede pública ou privada. Lá, recebe seus clientes, analisa sua situação e histórico, solicita exames, define o diagnóstico e traça uma estratégia de tratamento. Pode receitar medicamentos, recomendar hábitos (exercícios, dieta) e, dependendo do caso, propor intervenções cirúrgicas.

O médico endocrinologista pode se qualificar ainda mais, focando seus estudos e vida profissional em tratamentos específicos dentro da Endocrinologia. Desse modo, existem os endocrinologistas especializados, por exemplo, em diabetes, em distúrbio das tireoides, em osteologia (ciência que estuda os ossos) ou ainda em crianças, adolescentes, homens ou mulheres, já que a atuação das glândulas em cada fase da vida – e dependendo do sexo – pode ser distinta.

Como se tornar um endocrinologista

A primeira atitude que o candidato à carreira de endocrinologista deve tomar é fazer uma faculdade de Medicina. Há poucos anos, o Brasil ganhou o título de país com mais faculdades de Medicina do mundo, ultrapassando os Estados Unidos, a China e a Índia. Hoje em dia, são cerca de 350 cursos oferecidos por todo o país, em universidades públicas e particulares, com maior concentração na região Sudeste. Há quem comemore esses números e há quem os critique duramente.

Falando ainda em números, estima-se que existam no Brasil cerca de 350 mil médicos formados e atuantes. Parece muito, mas em um país como o nosso, com 200 milhões de habitantes e dimensões continentais, essa quantidade de profissionais é ainda insuficiente para cuidar de tanta gente, principalmente daqueles que vivem em regiões mais afastadas dos grandes centros.

A verdade é que a carência na área da saúde pública no Brasil é enorme. Então, trabalho não costuma faltar. Quem se forma em Medicina tem sua vaga no mercado praticamente assegurada, ainda mais se tiver disposição para trabalhar em regiões mais afastadas ou socialmente vulneráveis.

Medicina é uma carreira bastante concorrida. O interessado tem que estudar muito para conquistar uma vaga na graduação. E, depois de entrar na faculdade, a dedicação só aumenta, pois o curso bastante exigente.

Medicina é um bacharelado que dura seis anos. O curso começa com matérias mais teóricas e vai avançando cada vez mais para a prática. Veja algumas matérias que você pode encontrar no curso de Medicina:

  • Anatomia
  • Fisiologia
  • Bioquímica
  • Genética
  • Patologia
  • Imunologia
  • Bioestatística
  • Otorrinolaringologia
  • Oftalmologia
  • Farmacologia
  • Psiquiatria
  • Pediatria
  • Ginecologia e Obstetrícia
  • Traumatologia e Ortopedia

Essas são apenas algumas entre muitas outras. Nos últimos semestres do curso, o aluno passa pelos estágios supervisionados obrigatórios, realizados em clínicas, hospitais e outras instituições de saúde – é o chamado internato. Nesse ponto, é provável que o estudante já tenha seus primeiros contatos práticos com a Endocrinologia.

Ah, antes que a gente se esqueça, um detalhe importante: é fundamental verificar se a faculdade está autorizada pelo Ministério da Educação (MEC) a oferecer o curso de Medicina. Só assim a validade do diploma estará garantida.

Depois dos seis anos da faculdade, para se tornar um especialista o recém-formado tem que fazer a chamada residência médica. A residência médica equivale a uma pós-graduação, e é considerada pelos profissionais como a melhor forma de especialização médica do Brasil. Só pode ser realizada em instituições de saúde credenciadas pelo Ministério da Educação (MEC).

As residências têm caráter essencialmente prático e a duração pode variar de acordo com a especialidade escolhida. No caso da Endocrinologia, são dois anos. O aluno residente aprende trabalhando, sempre sob a supervisão de médicos experientes.

Como estamos falando aqui sobre como se tornar um endocrinologista, a residência (ou outro tipo de especialização, como veremos a seguir) é obrigatória. Para ingressar em uma residência em Endocrinologia há um processo seletivo bastante concorrido – existem inclusive cursinhos preparatórios esse exame.

Existem também os títulos de especialista concedidos por sociedades e conselhos médicos filiados à Associação Médica Brasileira (AMB). No caso da Endocrinologia, é a Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), que aplica provas para conceder o Título de Especialista em Endocrinologia e Metabologia.

O Conselho Federal de Medicina (CFM) e os Conselhos Regionais de Medicina (CRM) consideram válidos tanto o caminho da residência médica quanto o do título da SBEM. Nos dois casos, os Conselhos aprovam, registram e concedem ao médico o direito de exercer a profissão se anunciar como especialista em Endocrinologia.

O caso dos cursos de especialização lato sensu oferecidos pelas universidades já é mais polêmico. O Conselho Federal e os Regionais de Medicina não consideram como válidos profissionalmente os títulos de especialista concedidos pelas faculdades, ainda que sejam credenciadas pelo MEC.

Consequentemente, os CRM não registram como especialistas os médicos que fizeram os cursos de especialização em universidades, mas não fizeram residência médica ou a prova de título de alguma sociedade médica filiada à AMB. O valor dessas pós-graduações é acadêmico, mas não profissional. Ou seja, valem para adquirir conhecimento e se preparar melhor para o exame da SBEM. No Brasil são oferecidos cerca de 20 cursos de pós em Endocrinologia.

Onde estudar Medicina

Confira algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer o curso de Medicina:

Veja também:

Qual é o salário de Medicina?

O que achou da profissão de endocrinologista e dos passos necessários para chegar lá? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin