dcsimg

Quanto ganha um Economista?

Descubra o salário inicial do economista e até quanto esse profissional pode ganhar!

Quanto ganha um Economista?

A economia é a ciência que estuda os processos de produção, acumulação, distribuição e consumo de bens e serviços. A ciência econômica é multidisciplinar por definição, combinando conhecimentos das áreas de humanas e exatas.

O economista é o profissional que se dedica a acompanhar acontecimentos econômicos no país e no mundo e, baseando-se em modelos estatísticos e teorias econômicas, faz previsões de impactos econômicos na população, indústrias, política, sociedade e meio ambiente. Entre as responsabilidades do economista, podemos citar elaboração de relatórios, orçamentos, estudos e análises, condução de pesquisas, orientação a investidores e criação de produtos financeiros. Nas empresas, esse profissional pode trabalhar em conjunto com especialistas em finanças e contabilidade, entre outros.

Salário Mínimo Profissional do Economista

Os economistas não possuem um piso salarial único em todo o Brasil. O Conselho Federal de Economia (Cofecon) estuda uma possibilidade de regulamentação de salário mínimo profissional para a categoria.

Algumas entidades, como o Sindicato dos Economistas do Estado do Paraná (Sindecon-PR), divulgam planilhas com valores de referência para os serviços prestados por esses profissionais. De acordo com a tabela do Sindecon-PR, o valor por hora de algumas atividades realizadas por economistas é de:

  • R$ 416,41/hora para estudos de viabilidade econômica, otimização, apuração de lucratividade, rentabilidade, liquidez e demonstrativo de resultados. Esse também é o valor de referência para serviços ligados a análises e pareceres macro e microeconômicos.
  • R$ 222,08 por consulta de 50 minutos.
  • R$ 374,75 para arbitramentos técnico-econômicos.

Média Salarial do Economista

De acordo com a Tabela de Salários no Brasil, elaborada pela consultoria Robert Half e publicada pela revista Exame, o salário inicial de um economista é de R$ 3.000,00, podendo chegar a R$ 40.000,00:

  • Economista Júnior: R$ R$ 3.000,00 a R$ 6.000.00
  • Economista Pleno: R$ 6.000,00 a R$ 10.000,00
  • Economista Sênior: R$ 10.000,00 a R$ 20.000,00
  • Economista Chefe: R$ 20.000,00 a R$ 40.000,00

O levantamento salarial do site de empregos Catho indica que o cargo de economista tem salário a partir de 3 mil reais, podendo chegar a 6,5 mil reais. A média salarial nacional para a posição de economista, segundo o site, é de R$ 3.780,21.

Em concursos públicos, o valor do salário fica entre 2 mil a 5 mil reais, sem contar adicionais por tempo de serviço, titulação, adicionais e benefícios, que podem aumentar consideravelmente os rendimentos do funcionário.

Sobre a Carreira de Economia

A profissão de economista está regulamentada pela Lei nº 1.411, de 13 de agosto de 1951. Para exercê-la, é necessário concluir o curso de bacharelado em Economia ou Ciências Econômicas e obter o registro profissional junto ao Conselho Regional de Economia (Corecon) do estado onde trabalha.

De acordo com  a legislação, um economista pode exercer as seguintes atividades:

  • assessoria, consultoria e pesquisa econômico-financeira;
  • estudos de mercado e de viabilidade econômico-financeira;
  • análise e elaboração de cenários econômicos, planejamento estratégico nas áreas social, econômica e financeira;
  • estudo e análise de mercado financeiro e de capitais e derivativos;
  • estudo de viabilidade e de mercado relacionado à economia da tecnologia, do conhecimento e da informação, da cultura e do turismo;
  • produção e análise de informações estatísticas de natureza econômica e financeira, incluindo contas nacionais e índices de preços;
  • planejamento, formulação, implementação, acompanhamento e avaliação econômico-financeira de política tributária e finanças públicas;
  • assessoria, consultoria, formulação, análise e implementação de política econômica, fiscal, monetária, cambial e creditícia.
  • planejamento, formulação, implementação, acompanhamento e avaliação de planos, programas, projetos de natureza econômico-financeira;
  • avaliação patrimonial econômico-financeira de empresas e avaliação econômica de bens intangíveis;
  • perícia judicial e extrajudicial e assistência técnica, mediação e arbitragem, em matéria de natureza econômico-financeira, incluindo cálculos de liquidação;
  • análise financeira de investimentos;
  • estudo e análise para elaboração de orçamentos públicos e privados e avaliação de seus resultados;
  • estudos de mercado, de viabilidade e de impacto econômico-social relacionados ao meio ambiente, à ecologia, ao desenvolvimento sustentável e aos recursos naturais;
  • auditoria e fiscalização de natureza econômico-financeira;
  • formulação, análise e implementação de estratégias empresariais e concorrenciais;
  • economia e finanças internacionais, relações econômicas internacionais, aduanas e comércio exterior;
  • certificação de renda de pessoas físicas e jurídicas e consultoria em finanças pessoais;
  • regulação de serviços públicos e defesa da concorrência;
  • estudos e cálculos atuariais nos âmbitos previdenciário e de seguros.

O mercado de trabalho para economistas é bastante concorrido e a maior quantidade de vagas está nos grandes centros urbanos. No setor privado, bancos, financeiras, seguradoras, corretoras, bolsa de valores e consultorias são as áreas que mais demandam economistas.

O setor público emprega a maior parte dos economistas no Brasil, que exercem a função em bancos públicos,  na Comissão de Valores Mobiliários (CVM), no Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), no Banco Central, no Ministério da Fazenda, em secretarias estaduais, fundações e institutos.

A carreira acadêmica, como docente ou pesquisador, também é um a opção pra esses profissionais.

Onde Estudar Economia ou Ciências Econômicas

Confira algumas instituições autorizadas pelo MEC a oferecer o curso de Economia ou Ciências Econômicas:

Veja também:

Ciências Econômicas

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin