Descubra o que se estuda em Economia

Veja quais matérias fazem parte da grade curricular do curso de Economia!

Frequentemente nos deparamos com informações sobre economia e seus impactos em nosso dia a dia. Fato é que essa ciência é fundamental para o funcionamento de uma sociedade, pois é responsável pelos modos de produção, distribuição e consumo de bens necessários para a manutenção da vida.

E para que os conhecimentos desse campo sejam aplicados, há a demanda por profissionais especializados no assunto, por meio de uma formação. 

A graduação de Economia ou Ciências Econômicas, como também é conhecida, forma profissionais capacitados para o estudo, análise e interpretação de cenários econômicos, assim como para a elaboração de possíveis intervenções.

Porém, antes de ingressar nesse curso superior, é importante saber como ele funciona e quais são os conteúdos abordados até mesmo para compreender se ele está de acordo com os interesses pessoais.

O que se estuda em Economia?

O curso de Economia possui duração média de quatro anos e embora seja voltado para questões financeiras, ele pertence a área de Ciências Sociais Aplicadas. Portanto, ao longo de toda a formação o aluno também possui contato com disciplinas da área de humanidades.

Quais são as matérias do curso de Economia?

Assim como outros tipos de graduação, a de Economia possui matérias consideradas básicas e as específicas. As básicas são disciplinas mais generalistas, necessárias para o entendimento das específicas, que são todas aquelas voltadas especificamente para Economia. 

Veja a seguir quais são as disciplinas básicas e as específicas da grade curricular do curso:

Formação Básica

  • Fundamentos da Administração
  • Introdução às Ciências Sociais
  • Matemática aplicada à Economia
  • Cálculo
  • Estatística

Formação Específica

  • História Econômica
  • Microeconomia
  • Macroeconomia
  • Economia internacional
  • Econometria
  • Epistemologia da Economia
  • Economia brasileira
  • Mercados Financeiros
  • Políticas Econômicas
  • Pensamento Econômico
  • Direito aplicado à Economia
  • Pesquisa em Economia

Além das disciplinas listadas acima, há outras três exigências para se formar em Economia: estágio, atividades complementares e Trabalho de Conclusão de Curso (TCC). Eles também aparecem na grade curricular, mas não são disciplinas.

O estágio nada mais é do que o momento em que o estudante vai colocar em prática os conteúdos teóricos aprendidos em sala de aula, seja em uma empresa ou em um órgão público, desde que na área de formação. Há um mínimo de horas obrigatórias a serem cumpridas para concluir o curso.

Já as atividades complementares são atividades fora da sala de aula que o aluno deve participar como palestras, congressos ou cursos de extensão. Também há um mínimo exigido a ser cumprido.

O TCC é o trabalho final a ser entregue, trata-se de uma pesquisa mais extensa, realizada com a ajuda de um orientador durante aproximadamente um ano, e funciona como uma última avaliação do aluno no curso, pois ele precisa ser aprovado para se formar. O trabalho é apresentado a uma banca examinadora, que dá a nota após a apresentação.

Quanto custa estudar Economia?

De acordo com o site Quero Bolsa, é possível encontrar cursos de Economia a partir de R$ 79,00 na modalidade de ensino a distância (EaD), a partir de R$ 117,00 no ensino semipresencial e a partir de R$ 395,00 na modalidade presencial.

Qual é a diferença entre o curso de Economia presencial, semipresencial e EaD?

A principal diferença entre os três modelos é o formato no qual o ensino e aprendizagem ocorrem. No formato presencial, a maior parte da carga horária do curso acontece na instituição de ensino. Já no semipresencial, parte da carga horária é feita presencialmente, e o restante é realizado on-line. Por fim, no ensino a distância (EaD), a maior parte dos conteúdos são trabalhados de forma virtual. 

Os conteúdos virtuais acontecem por meio de uma plataforma on-line, chamada de Ambiente Virtual de Aprendizagem. Nela é possível acessar aulas ao vivo e gravadas, materiais para estudo e atividades. Somente as provas, que mesmo nos formatos semipresencial e a distância normalmente são realizadas presencialmente, nos polos da instituição de ensino escolhida.

É importante deixar claro que o conteúdo do curso é o mesmo para todas as modalidades, assim como o diploma após o término da graduação.

Onde estudar Economia?

Dentre os impactos profissionais positivos de cursar uma graduação, está o na remuneração. De acordo com dados da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), pessoas que possuem nível superior ganham mais que o dobro do que aquelas que não possuem.

No entanto, é preciso ressaltar que a decisão de onde estudar deve ser tomada com bastante cautela. Isso porque para que o diploma do curso seja válido em todo o país, o curso deve ser autorizado e reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC). 

Confira logo abaixo uma lista com algumas opções de instituições de ensino que oferecem o curso de Economia com a autorização e reconhecimento do MEC:

Preparado para cursar Economia? Responda nos comentários abaixo!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin