Conheça a profissão serviços penais e veja onde estudar

Saiba como seguir a carreira de Serviços Penais, que anda de mãos dadas com o Direito!

Já pensou em atuar numa área jurídica em alta sem ter de enfrentar os cinco anos de curso de Direito?

Serviços Penais é mais ou menos isso.

Em pouco tempo, os profissionais podem conseguir vaga para trabalhar no sistema de segurança pública.

É uma área que cresce bastante e está sempre carente de pessoal qualificado.

A seguir, conheça a profissão Serviços Penais e veja onde estudar.

A profissão serviços penais

O agente especializado em serviços penais é aquele que trabalha no gerenciamento de serviços penitenciários ou na criação de políticas públicas que visem à melhoria da segurança e qualidade de vida nesses espaços.

Dentre suas tantas atribuições, destacamos:

  • Análise de riscos em prisões e penitenciárias.
  • Estratégias de contenção de crises.
  • Articulação de serviços de assistência social.
  • Desenvolvimento metodologias de reinserção social do preso.
  • Realização de perícia e avaliação técnica em serviços penais.

Muitos dos profissionais de serviços penais também se especializam em algumas áreas que se relacionam com psicologia, pedagogia, terapia ocupacional e serviço social.

São pessoas que têm uma visão completa do imenso e intrincado sistema prisional brasileiro, com todos os seus defeitos e qualidades.

Hoje, os maiores empregadores dos profissionais de Serviços Penais são:

  • Presídios e prisões
  • Escritórios de advocacia
  • Órgãos públicos de segurança
  • Empresas de segurança privada
  • Organizações Não-Governamentais
  • Cartórios

Quanto ganha um profissional de serviços penais

Ainda hoje, muitas instituições exigem apenas formação de nível médio completo para quem quer trabalhar no apoio a serviços penais.

Mas as coisas estão mudando rapidamente e o diploma de nível superior tem feito toda a diferença.

Por enquanto, os salários variam de R$ 2.500 a R$ 4.700, em média – sem levar em conta as gratificações por insalubridade, que podem chegar a 20% do salário.

Segundo levantamento do site Salário.com.br, a procura por agentes penitenciários cresceu quase 70% nos últimos anos – especialmente no estado de São Paulo, que concentra a maior quantidade de presídios do país.

Como entrar na profissão Serviços Penais

Hoje, a maneira mais prática de atuar como agente de Serviços Penais é fazendo um curso de tecnólogo, que tem apenas dois anos de duração.

A formação, de nível superior, pode ser encontrada em mais ou menos 15 faculdades pelo país, sendo a totalidade delas na rede privada de ensino.

Em quatro semestres, o aluno vai aprender a gerenciar serviços penitenciários e pensar em soluções para os problemas que afligem presídios e cadeias por todo o país.

Algumas matérias vistas ao longo do curso são:

  • Ciência Política e do Estado
  • Teoria do Delito
  • Princípios Constitucionais Penais
  • Noções sobre o Sistema Único de Segurança Pública
  • Sistema Penitenciário
  • Teoria da Constituição e Direitos Fundamentais
  • Penas e Medidas Alternativas
  • Criminalidade, Sociedade, Violência e Controle Social
  • Psicologia Jurídica
  • Crimes em Espécie
  • Processo Penal
  • Segurança Pública e Segurança no Sistema Penitenciário
  • Gerenciamento de Crises e Mediação de Conflitos
  • Infrações e Procedimentos Criminais Especiais
  • Filosofia do Direito
  • Direitos Humanos
  • Ações Integradas de Reintegração Social

Grande parte da oferta de cursos está na modalidade a distância. Com aval do Ministério da Educação (MEC), os alunos podem acompanhar tudo pelo computador, fazer as atividades online previstas, interagir com professores, participar de alguns encontros presenciais e terminar o curso com um diploma reconhecido no mercado de trabalho.

Outras alternativas para trabalhar com serviços penais

Se você não encontrar o curso de Serviços Penais perto de você, saiba que dá para recorrer a outras graduações que habilitam a trabalhar com essa questão.

Alternativa 1: O mais comum, esse caso, é recorrer ao curso de Direito. Com cinco anos de duração, essa é uma das graduações mais populares do país, presente em mais de 1.600 faculdades. Está disponível apenas na modalidade presencial.

Alternativa 2: Para quem não dispõe de tanto tempo, uma outra alterativa é o curso de Segurança Pública. Assim como Serviços Penais, trata-se de um tecnólogo com apenas dois anos de duração. A diferença está na disponibilidade, que é bem maior: presente em mais de 60 faculdades pelo país – e várias delas também com a opção de estudar a distância.

Segurança Pública trata de defesa civil, ordem pública, políticas de segurança, investigação, polícia técnico-científica, laudos, perícias, etc.

Em algumas poucas instituições (a maioria públicas), dá para fazer o curso em grau de bacharelado, com quatro anos de duração.

Alternativa 3: Uma terceira via para trabalhar na área é o curso de Segurança Privada. Embora seja voltado para a esfera privada, trabalha a questão patrimonial, desenvolvimento de planos de segurança, situações de risco, prevenção de acidentes – conhecimentos bem úteis para quem quer ingressar nesse meio com o pé direito.

O curso também é um tecnólogo e tem apenas dois anos de duração.

Segurança Privada é ainda mais popular que Segurança Pública: pode ser encontrado em uma centena de instituições, e também no formato a distância!

Onde estudar Serviços Penais

O tecnólogo em Serviços Penais pode ser encontrado em faculdades como:

  • Universidade Anhembi Morumbi (UAM)
  • Universidade Potiguar (UNP)
  • Universidade do Sul de Santa Catarina (UNISUL)
  • Universidade Salvador (UNIFACS)

Já os cursos de Direito, Segurança Pública ou Segurança Privada podem ser encontrados em um número muito maior de faculdades – inclusive em várias reconhecidas e bem avaliadas pelo MEC, como:

Veja também:

Segurança Pública

Segurança Privada

Está com planos de entrar para a área de Serviços Penais? Conte para a gente nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin