dcsimg

Entenda como funciona o período de carência do FIES

Descubra agora mesmo quanto tempo você vai ter de “respiro” até começar a quitar a dívida do FIES!

Uma das grandes vantagens de conseguir o FIES, o Fundo de Financiamento Estudantil, é poder distribuir a dívida em vários anos.

Assim o valor da parcela fica pequenininho e cabe no bolso da maioria das pessoas. Essa alternativa é interessante para quem está em busca de uma formação de nível superior mas anda com o orçamento apertado.

Além de todas as facilidades, o FIES ainda oferece um prazo de carência aos beneficiários – um tempo depois da formatura para arrumar emprego e conseguir pagar sem sufoco as parcelas que virão mais adiante.

Só que o FIES sofre mudanças de vez em quando e uma das mais recentes mexeu justamente nesse período de “respiro” entre o final do curso e o pagamento das parcelas.

Se você também está querendo saber o que mudou, fique aqui com a gente. Preparamos um guia rápido para você entender como funciona o período de carência do FIES e ainda destacamos, ao final, boas faculdades onde você pode conseguir o benefício. Confira!

Como funciona o período de carência do FIES

O período de carência do FIES é o intervalo entre o término do curso e o início da quitação da dívida do financiamento.

Até 2017, esse período era fixo. A partir de 2018, fica diferente. Vamos explicar as duas situações a seguir.

Período de carência para quem vai tentar FIES a partir de 2018

Quem vai fazer o FIES a partir de janeiro de 2018 perde algumas regalias em relação a quem obteve o financiamento até o segundo semestre de 2017.

É que, de acordo com a Medida Provisória (MP) nº 785, de 6 de julho de 2017, acabou o período de carência para começar o pagamento das mensalidades do financiamento.

Em relação a isso a MP diz que haverá “ausência de carência para o início do pagamento do financiamento, que será iniciado a partir do mês imediatamente subsequente ao da conclusão do curso”.

Traduzindo: assim que se formar, o estudante já começa a pagar a dívida do FIES.

Caso esteja empregado em Regime da Consolidação das Leis do Trabalho, a CLT, o valor pode ser descontado diretamente do salário. A parcela não pode ultrapassar 10% da renda do profissional.

É interessante lembrar que essa alteração entra em operação a partir de 2018. Contratos assinados antes disso não são afetados.

Como o FIES tem mudado com bastante frequência, a gente recomenda ler com muito cuidado as regras publicadas no edital do semestre em que você vai se inscrever. Somente lá você vai encontrar informações mais detalhadas, precisas e atualizadas.

Período de carência para quem obteve o FIES até 2017

Quem conseguiu o FIES até o segundo semestre de 2017 tem um período maior para se organizar e iniciar a quitação da dívida. O estudante nessas condições pode começar a pagar as parcelas do financiamento em até 18 meses após a formatura. A ideia é que, nesse meio tempo, ele já tenha conseguido se estabelecer no mercado de trabalho.

Só que um benefício desse tamanho não vem de bandeja. Enquanto espera o dia de começar a quitar as parcelas, o beneficiário continua a pagar, durante todo esse período, as taxas trimestrais que encarou durante toda a faculdade.

Caso arrume um emprego e queira adiantar o pagamento das parcelas, existe essa opção. Também dá para quitar o financiamento antecipadamente ou pagar mais parcelas de uma só vez.

O que mais muda no FIES a partir de 2018

Não foi apenas o período de carência do FIES que mudou. O programa todo passou por uma mexida. A começar pelos tipos de financiamento que serão concedidos a partir de agora, em três categorias diferentes.

Houve uma mudança drástica também no critério de renda familiar bruta mensal para participar do programa, que agora passa a ser de cinco salários mínimos por pessoa (até 2017 eram permitidos somente três).

Alguns requisitos importantes do FIES continuam o mesmos. O programa ainda exige que os participantes tenham feito qualquer edição do Enem a partir de 2010, com desempenho de pelo menos 450 pontos na média das provas e nota acima de zero na redação.

A seleção continua disputadíssima – e é provável que aumente ainda mais depois da ampliação da renda máxima para participar. Por isso é tão importante entrar no páreo com uma nota super alta no Enem.

O programa acontece duas vezes por ano, sempre no início de cada semestre letivo. A inscrição é gratuita e só pode ser feita no site do FIES Seleção.

Boas faculdades onde você pode financiar um curso pelo FIES

Só quando você entrar no processo seletivo do FIES é que vai ter a real dimensão da gigantesca quantidade de vagas oferecidas no programa.

São tantas opções de instituições de ensino que fica fácil se perder. O ideal é chegar ao site de inscrições com uma faculdade em mente – de preferência que seja reconhecida no mercado de trabalho e bem avaliada pelo Ministério da Educação (MEC).

Pensando nisso, a gente separou algumas sugestões para você levar em conta no próximo FIES. São instituições de primeira, com cursos em diversas áreas do conhecimento.

Dê uma olhada:

Veja também:

Saiba que nota você precisa tirar no ENEM para conseguir FIES

Deu para entender como funciona o período de carência do FIES? Vai tentar o financiamento? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin