dcsimg

Descubra quanto ganha um cientista

A carreira de cientista é muito importante para o desenvolvimento de nosso país. Conheça suas particularidades e a remuneração.

A profissão de cientista não é regularizada em nosso país, no entanto, existem milhares deles por aí!  Mesmo que você não tenha percebido, já deve ter cruzado com vários pelas ruas da sua cidade.

Aquela imagem caricaturada de uma pessoa reclusa, que faz experimentos em um laboratório, ainda é bastante difundida, mas o fato é que os cientistas pesquisam sobre os mais diversos assuntos e em muitas áreas do conhecimento.

Existem, para citar alguns exemplos, cientistas nas áreas de saúde, cientistas políticos, cientistas da educação. Aquela vacina que você toma hoje foi descoberta por um deles, o método de ensino da escola de seus filhos, a orientação do fluxo de pessoas que circulam em uma avenida, entre tantos outros procedimentos e produtos que fazem parte do nosso cotidiano.

Todos podemos ser cientistas, basta começar uma formação acadêmica em nível superior e contribuir com o desenvolvimento tecnológico e a pesquisa no curso que escolhermos. Confira agora todas as etapas dessa formação e quanto ganha um cientista!

O que é ser um cientista?

Para ser um cientista é preciso estudar muito. Fazer ciência é propor novas soluções para problemas já instaurados na sociedade, além de detectar aqueles que talvez passassem despercebidos até então.

A carreira de cientista, ou pesquisador, como é comumente chamada, passa por algumas etapas, que começam na graduação com a iniciação científica, orientada por um professor responsável, com título de mestre ou doutor em sua área de atuação.

Na faculdade, o aluno aprende a pesquisar, e os frutos desse trabalho podem ser um projeto para a comunidade ou algum artigo publicado em anais de eventos e revistas indexadas pela Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (CAPES). 

A publicação de artigos em algumas revistas exige o aval do orientador, por isso a importância dessa figura no começo e nas demais etapas da formação do cientista, já que ele é a pessoa que convalida tudo o que o estudante apresenta academicamente. 

Terminada a graduação, a carreira acadêmica pode ser seguida por meio de um mestrado e, posteriormente, de um doutorado, e até um pós-doutorado. 

Engana-se quem pensa que essas formações são apenas para dar aulas em faculdades. O processo de mestrado e de doutorado exigem o aprofundamento em ensino, pesquisa e extensão. Ao final de cada um deles, é preciso apresentar o resultado de uma pesquisa. 

Mas como os pesquisadores recebem por esse trabalho? Veremos no próximo tópico.

Qual o salário de um cientista?

Como não existe um salário determinado para a carreira de cientista, podemos falar de seus pagamentos durante algumas etapas. 

Na iniciação científica, no mestrado, no doutorado e pós-doutorado, o que eles recebem são bolsas de estudo subsidiadas pela CAPES, pelo Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq), dentre outras oferecidas pelos governos estaduais. 

Vamos especificar os valores dessas, que são as principais instituições que fomentam a pesquisa em nosso país.

CAPES e CNPq

  • Iniciação científica: R$ 400,00 
  • Mestrado: R$ 1.500,00
  • Doutorado: R$ 2.200,00
  • Pós-Doutorado: R$ 4.100,00

Para os professores concursados nas universidades públicas, além do salário, que pode chegar a até R$ 18.000,00, existem outros auxílios à pesquisa, que variam de acordo com o trabalho que será desenvolvido. 

Em todos os casos, quem recebe a bolsa deve ter dedicação exclusiva à pesquisa, ou seja, não pode trabalhar em outros locais. 

Esse montante, além de ser usado para que o pesquisador mantenha seus gastos básicos, como alimentação, transporte e moradia, é destinado para a participação em eventos acadêmicos, como simpósios e congressos. 

Infelizmente, o valor das bolsas acaba desestimulando muitas pessoas de seguirem a profissão, principalmente as que moram em grandes centros, nos quais o custo de vida é mais alto.

Como se tornar um cientista?

Se você tem interesse em pesquisar e já está em uma faculdade, converse com os professores e descubra quais deles orientam projetos na instituição. 

Existe um mito de que apenas as faculdades públicas fazem pesquisa, mas muitas faculdades particulares investem e têm professores qualificados para orientar e despertar esse desejo do trabalho científico em seus alunos.

Após saber qual docente irá orientá-lo, é hora de montar um projeto de pesquisa com todos os seus questionamentos e hipóteses para possíveis soluções que serão buscadas durante um período determinado.

Quais cursos têm foco em pesquisa e formam cientistas?

Quem ainda não está na faculdade e quer ser cientista já pode começar a escolher a área e o curso para estudar. Com as novas opções de cursos tecnológicos, em apenas dois anos já é possível ter um diploma de nível superior e concorrer a uma vaga em um mestrado logo em seguida.

Todas as áreas possuem cursos que realizam pesquisas frequentemente, apesar de algumas delas serem mais reconhecidas, como aquelas voltadas para saúde, de forma geral. Confira abaixo algumas sugestões de cursos para se tornar cientista em diferentes áreas.

Ciências da natureza e saúde

  • Medicina
  • Biologia
  • Odontologia
  • Enfermagem 
  • Farmácia 
  • Biomedicina 

Ciências Exatas

  • Ciência da computação
  • Engenharias (Alimentar, Química, Ambiental etc)
  • Estatística
  • Química
  • Física

Ciências Sociais e Humanas

  • Educação
  • Ciências Econômicas
  • Comunicação Social
  • Ciência Política
  • Ciências Sociais

Onde estudar para ser um cientista?

Todas as faculdades estão aptas a formar cientistas, já que o corpo docente precisa ter uma porcentagem mínima de mestres e doutores obrigatoriamente, porém, nem todas têm uma cultura de pesquisa, e esse é um trabalho que exige dedicação, principalmente do estudante.

Vai encarar? Quer saber onde estudar para ser cientista? Temos algumas sugestões de faculdades reconhecidas pelo MEC, que oferecem excelentes graduações e pós-graduações, presenciais e a distância:

Você já pode começar com uma bolsa na graduação com a sua nota do Enem. Com uma nota mínima de 300 pontos e redação acima de zero, dá para entrar direto em qualquer uma delas.

Sem vestibulares ou outras provas, ainda pode escolher entre vários cursos com diplomas válidos em todo o território nacional. 

Caso tenha alguns pontinhos a mais e se destaque entre os concorrentes, também consegue uma bolsa de até 100%. Isso mesmo: já começa sua carreira de cientista sem pagar nada!

Investir em uma boa formação é o caminho para uma carreira de sucesso, seja dentro ou fora da ciência. 

Veja Também:

Conheça as faculdades que participam do ProUni

Veja as melhores faculdades a distância para estudar em 2020

E aí, futuro cientista? Comente conosco qual faculdade você quer cursar para desenvolver sua vida acadêmica!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin