dcsimg

Descubra quanto ganha um engenheiro de aquicultura

O engenheiro de aquicultura é o profissional capacitado para atuar na produção de alimentos e frutos aquáticos.

Por meio de teorias e técnicas o engenheiro aquicultor cria projetos e executa planos para o cultivo de organismos aquáticos, assim como a comercialização e distribuição desses produtos de forma sustentável. Além disso, ele também é responsável por acompanhar obras aquáticas e desenvolver pesquisas.

Para exercer a profissão é necessário ser formado no curso de graduação de Engenharia de Aquicultura e ser registrado no Conselho Regional de Engenharia, Arquitetura e Agronomia (CREA).

Quanto ganha um engenheiro de aquicultura?

De acordo com o guia de profissões do Portal IG, o salário inicial de um engenheiro de aquicultura é de aproximadamente R$ 2.000,00 e pode chegar a R$ 5.000,00.

Já o salário médio desse profissional é cerca de R$ 3.000,00. Os valores podem sofrer variações de acordo com a empresa, ocupação e estado da vaga de trabalho.

Mercado de trabalho

O mercado de trabalho para o engenheiro aquicultor inclui órgãos públicos, construtoras, empresas de produção aquática ou de genética e até mesmo indústrias. Veja abaixo algumas das funções desempenhadas pelo profissional:

  • Desenvolver e coordenar projetos e ações do setor aquático
  • Identificar erros e pensar em formas de resolvê-lo
  • Verificar a qualidade da água e do solo
  • Fazer acompanhamento de ações de melhoramento genético

De acordo com dados de 2014 do Ministério da Pesca e Aquicultura (MPA) publicados nas diretrizes do curso de Aquicultura do Instituto Federal do Paraná, o Brasil é responsável pela produção de dois milhões de toneladas de pescado, sendo que 40% desse número da aquicultura. Isso faz com que a demanda por profissionais dessa área ultrapasse três milhões em empregos diretos e indiretos. A perspectiva é que o país se torne um dos maiores produtores mundiais do setor.

O curso

O curso de Engenharia de Aquicultura é oferecido no grau bacharelado e possui duração média de cinco anos. Apesar de pertencer a área de exatas, por se tratar de um curso de engenharia, a grade curricular dessa graduação conta com disciplinas distribuídas nas áreas de exatas, humanas e biológicas. Confira as principais matérias do curso, segundo o IFPR:

  • Aquicultura geral
  • Química geral
  • Matemática
  • Sociologia
  • Biologia de organismos aquáticos
  • Botânica aquática
  • Desenvolvimento regional
  • Ecologia de ambientes aquáticos
  • Zoologia aquática
  • Cálculo
  • Desenho técnico
  • Física
  • Informática
  • Gestão ambiental
  • Bioquímica
  • Hidráulica
  • Legislação ambiental
  • Inspeção de pescados

As atividades complementares, o estágio supervisionado e o Trabalho de Conclusão de Curso são obrigatórios para a formação e retirada do diploma.

Outros tipos de formação na área de Aquicultura

Além do curso de Engenharia de Aquicultura, há o tecnólogo de Aquicultura e o técnico de Aquicultura. O tecnólogo também é um curso de graduação, mas possui duração de três anos, em média. Os conteúdos são semelhantes, com disciplinas básicas relacionadas à biologia, matemática e mais específicas sobre o ambiente aquático, porém, a grande diferença é que o tecnólogo possui um enfoque maior para o mercado de trabalho.

Já o curso técnico não faz parte do ensino superior, pois é um curso profissionalizante. Com duração de alguns meses, o curso é focado em aspectos técnicos e práticos para atender as demandas de emprego na área.

No entanto, quanto maior o grau de formação de um profissional, maior será o seu salário. Fora isso, o currículo também é valorizado com o curso superior, o que pode aumentar as chances de ingresso no mercado de trabalho. Portanto, é fundamental levar em consideração todos esses fatores antes de optar por um tipo de formação.

É importante ressaltar que o curso de Engenharia de Aquicultura é o único que oferece o título de engenheiro, porém, essa graduação não é ofertada por muitas instituições de ensino. Por isso, outra opção de curso que é semelhante à essa graduação e mais oferecido pelas faculdades é o de Engenharia de Pesca, que possui o mesmo tempo de duração, mas com um enfoque maior em pesca extrativista e na dinâmica dessa atividade, como o próprio nome já diz.

Veja onde estudar

Como dito anteriormente, o diploma de um curso superior é um diferencial na disputa por uma vaga de trabalho, além de ser um fator decisivo para ter uma boa remuneração, já que quanto maior o grau de formação, maior é o salário de um profissional.

Entretanto, para que o diploma seja aceito em todo o país, é necessário ser formado em uma instituição que tenha o curso escolhido autorizado e reconhecido pelo Ministério da Educação (MEC), ou seja, com qualidade atestada pelo órgão.

Veja abaixo algumas sugestões de faculdades que oferecem cursos de graduação reconhecidos pelo MEC:

Veja também:

Engenharia de Pesca: curso e profissão

Tirou suas dúvidas sobre a profissão do engenheiro de aquicultura? Deixe seu comentário abaixo.

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin