dcsimg

Descubra o valor da faculdade de Gastronomia

Veja quanto custa a mensalidade de Gastronomia e opções para estudar pagando menos, sem abrir mão da qualidade!

A emergente cena gastronômica brasileira tem atraído cada vez mais pessoas para as cozinhas de todo o país.

Isso naturalmente acaba se refletindo nas salas de aula. São quase 30 mil alunos matriculados em cursos superiores de Gastronomia atualmente, manejando panelas e aprendendo a gerenciar empreendimentos no setor.

As opções na rede pública ainda são poucas – a maior parte das faculdades de Gastronomia é particular.

Mas não desanime por causa disso: tem opções mais em conta, formas diferentes de estudar e até bolsas de estudos para conquistar seu sonho sem estourar o orçamento.

A gente descobriu o valor da faculdade de Gastronomia e trouxe aqui, para você!

Valor da faculdade de Gastronomia

O Brasil tem 155 faculdades de Gastronomia. Apenas 14 delas estão na rede pública. As outras 141, na particular – o que equivale a 90% do total.

Outra questão importante: os cursos com perfil mais prático, para quem quer aprender a cozinhar e a administrar empreendimentos no setor gastronômico, também estão nas particulares.

Resumindo: vai ser difícil escapar da mensalidade, mas é possível sair em busca de descontos e benefícios que ajudam a dar uma bela economizada no fim do mês. Ah, e também dá para estudar Gastronomia a distância. Isso pode facilitar um bocado as coisas para quem está com o bolso apertado.

Vamos aos valores:

O curso de Gastronomia presencial tem mensalidades médias de R$ 1.400. É possível encontrar opções mais em conta, a partir de R$ 700. Quem não tem problema com orçamento pode se matricular em faculdades que cobram quase R$ 3.000 por mês.

Os cursos a distância custam bem menos. Em nossa pesquisa encontramos um valor médio de R$ 700 por mês – metade do custo médio da faculdade de Gastronomia presencial.

Descontos, bolsas e facilidades para estudar Gastronomia

Achou a faculdade de Gastronomia cara? Pois saiba que as faculdades oferecem diversos benefícios para atrair novos alunos. Basta ficar ligado para conseguir alguns deles.

Um dos mais comuns é o desconto por pontualidade, que pode chegar a 30% em cima da mensalidade. Esse benefício está disponível na maioria das faculdades e é automático. Basta pagar em dia!

Com esse desconto, um curso que custa R$ 1.400 sai por pouco mais de R$ 1.000 – uma bela economia, não é?

Os mais baratos, na casa dos R$ 700, ficam por R$ 530!

E tem mais desconto para quem muda de faculdade, para quem faz uma segunda graduação, para quem retorna aos estudos… basta procurar!

O governo federal também tem programas de incentivo à formação superior que incluem o curso de Gastronomia.

São dois: o ProUni e o FIES.

O Programa Universidade para Todos (ProUni) oferece bolsas integrais e parciais em faculdades particulares de todo o Brasil. Para concorrer a uma delas é preciso ter se dado bem no Enem mais recente, com desempenho de pelo menos 450 pontos na média das provas e acima de zero na redação. Depois é preciso encarar um processo seletivo super concorrido. Os candidatos devem se encaixar também em certo perfil de renda e formação escolar definidos pelo MEC. A seleção ocorre duas vezes ao ano.

Com o Fundo de Financiamento Estudantil (FIES) dá para financiar o curso de Gastronomia a juros baixos e com prazo longo para pagar a dívida. O programa é destinado a quem se encaixa em certos critérios de renda e apresenta pelo menos 450 pontos na média das provas do Enem, sem ter zerado a redação. A diferença é que aqui vale qualquer edição a partir de 2010! O FIES também é obtido mediante processo seletivo e abre inscrições duas vezes por ano.

Os diferentes tipos de curso de Gastronomia

No Brasil, o curso de Gastronomia pode ser encontrado em dois tipos de formação.

O bacharelado é mais raro e está disponível principalmente nas universidades públicas. É um curso mais longo, com quatro anos de duração, que forma o profissional para trabalhar principalmente na gestão de empreendimentos gastronômicos.

A outra opção, que também é a mais comum, é o curso de tecnólogo. O perfil é bem mais mão na massa: ensina os alunos a cozinharem e a lidar com estabelecimentos no setor. A duração aqui é mais curta: apenas dois anos, em média.

Em ambos, os estudantes vão aprender a lidar com os principais ingredientes, preparar alimentos e bebidas, elaborar cardápios, montar e decorar pratos, organizar eventos e muito mais.

Onde estudar Gastronomia

No Brasil não é preciso ter diploma de nível superior para trabalhar como chef de cozinha, mas o fato é que a alta concorrência da área está cobrando um conhecimento mais apurado dos profissionais do setor.

Como existem mais de 100 faculdades de Gastronomia espalhadas pelo Brasil, é bom ficar de olho naquela que você vai escolher.

A instituição ideal deve ser reconhecida e bem avaliada pelo Ministério da Educação (MEC), oferecer boa infraestrutura e estar disponível no formato adequado para você.

Ah, e claro: ter uma unidade ou polo de apoio perto de sua casa ou do seu trabalho.

Pensando nisso, a gente trouxe algumas sugestões de faculdades para você levar em conta.

Conheça:

Veja também:

Qual é o salário de Gastronomia?

Está pensando em fazer Gastronomia? O que achou do valor das mensalidades?

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin