dcsimg

Saiba tudo sobre os novos critérios pra entrar no FIES

Veja o que mudou no FIES e o que você precisa fazer para conseguir um financiamento estudantil!

Vai tentar o FIES? Bom, temos uma novidade: o programa que concede financiamento estudantil a juros baixos mudou – e mudou bastante.

O FIES sofreu mais uma rodada de modificações no segundo semestre de 2017 e as novas regras passam a valer a partir de 2018.

Se você está pensando em participar do FIES, não perca nem mais um minuto: leia este texto até o fim. Nele vamos explicar tudo o que mudou e, principalmente, quais são as consequências que essas novidades trazem para você.

Tem alteração nos juros do financiamento, na renda máxima para participar, na distribuição de contratos e muito mais.

Vamos a elas!

Novos critérios para entrar no FIES

Com as mudanças promovidas pelo Ministério da Educação (MEC), o FIES se tornou mais inclusivo.

Se antes o programa era restrito a quem tinha renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos, o limite agora passou para cinco salários mínimos por pessoa.

Essa é uma mudança importantíssima e, na prática, é a única que mexe com os critérios para se inscrever no processo seletivo do FIES.

A outra exigência do MEC para quem quer participar do FIES é ter feito o Enem e obtido pelo menos 450 pontos na média das provas, sem ter zerado na redação. O candidato pode usar qualquer edição a partir de 2010.

Portanto, antes de se inscrever certifique-se de que você cumpre perfeitamente esses dois critérios de participação. Toda a documentação será checada e validada mais adiante, caso você seja aprovado.

Ah, importante: quem está em débito com o Programa de Crédito Educativo (PCE–Creduc), está usando ou já usou o FIES não vai poder concorrer.

O que mais mudou no FIES

Além da questão da ampliação da renda familiar, o FIES tem muitas outras novidades. O programa agora tem até uma opção com juro zero!

Veja o que mudou:

  • O MEC resolveu pôr fim ao limite de valor da mensalidade, que antes era de R$ 5 mil. Quem pensa em financiar cursos mais caros, como Medicina, tem agora uma opção interessante à mão.
  • A dívida do financiamento vai começar a ser cobrada a partir do momento que o estudante se formar e conseguir um emprego formal. Antes o MEC dava uma carência de até 18 meses após a conclusão do curso.
  • O FIES agora está dividido em três categorias. Veja em qual delas você se enquadra:
    • O FIES 1 tem juro zero e é concedido a mais de 100 mil beneficiários todos os anos. Essa modalidade é destinada a quem comprovar renda familiar bruta mensal de até três salários mínimos por pessoa.
  • O FIES 2 tem juros de 3% ao ano e é destinado a candidatos com renda familiar bruta mensal de até cinco salários mínimos por pessoa. Um detalhe importante aqui: essa modalidade vale apenas para habitantes das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.
  • O FIES 3 é voltado aos demais participantes que tenham renda familiar bruta mensal de até cinco salários mínimos por pessoa. Os juros cobrados nesta modalidade serão de 6,5% ao ano, aproximadamente.

Quando acontece o processo seletivo para entrar no FIES

Os candidatos interessados têm duas chances por ano de conseguir um financiamento do FIES.

A edição principal acontece logo no primeiro semestre, podendo cair no final de janeiro ou no início de fevereiro. É nesse período que será concedida a maior parte dos financiamentos.

A segunda edição ocorre no início do segundo semestre, geralmente entre o final de julho e o início de agosto.

Em ambas, é preciso atender aos critérios de participação e se cadastrar no site do FIES Seleção.

A seleção normalmente começa numa terça-feira e se encerra na sexta da mesma semana. Aqui não há chance de prorrogação! Portanto, atente-se aos prazos. Os dias exatos da seleção só são divulgados pelo MEC com poucas semanas de antecedência.

Nossa dica é ficar grudado na imprensa especializada para saber quando a seleção vai acontecer de fato, anotar a data na sua agenda e até programar um alarme no celular. O MEC não tolera atrasos.

Os resultados saem na segunda-feira seguinte ao encerramento das inscrições. Para verificar se passou, o candidato pode acessar o site do FIES Seleção com seu CPF e senha ou ligar na faculdade onde tentou o financiamento.

Caso obtenha a aprovação (ou pré-aprovação, como o MEC chama), o participante terá que encarar outras três etapas, que consistem basicamente na apresentação de documentos, validação da papelada junto a uma comissão especializada e assinatura do contrato.

Quem não for aprovado pode cruzar os dedos. Como muitos estudantes não passam pelas etapas seguintes de inscrição do FIES, novos nomes são chamados para ocupar a vaga no programa. É preciso ficar ligadíssimo na lista de espera, que pode se estender por quase um mês após o encerramento da seleção.

Como conseguir o FIES

O FIES parece moleza de conseguir – mas é só impressão.

Dependendo do curso em que você estiver interessado, pode ser bem difícil conquistar uma vaga.

Isso porque o sistema de concessão de financiamento é feito por meio de um processo seletivo. Leva o benefício quem tiver a maior nota do Enem.

Outro fator que dificulta é a concorrência, que está longe de ser baixa. Agora, com a ampliação da renda máxima para participar, pode-se esperar uma disputa ainda mais acirrada nas próximas edições.

Não há garantias de que você vá conseguir a vaga, mas as chances aumentam substancialmente se você tiver um notaço no Enem. Aqueles cursos que são super concorridos, como Medicina ou Engenharia, podem exigir um desempenho bem acima da pontuação mínima solicitada para se inscrever.

A menor pontuação para passar, chamada nota de corte, pode mudar a qualquer momento. Por isso, durante o processo seletivo, não relaxe. Entre no site do FIES e confira se houve alguma mudança na média. Se achar que a nota de corte está alta demais para você, mude as opções de curso, de turno, de faculdade. Você vai poder fazer essa mudança quantas vezes quiser, enquanto as inscrições estiverem abertas. O sistema do FIES vai considerar, para a seleção final, a última opção que você salvou.

Onde utilizar o seu FIES

Existe um ponto muito positivo em obter o FIES. Por exigência do governo federal, só podem participar do processo seletivo instituições que tenham sido bem avaliadas pelo MEC.

Isso significa que o curso que você vai financiar tem qualidade e é bem visto no mercado de trabalho.

O problema, às vezes, é se encontrar em meio a essa enxurrada de opções. São tantas instituições participantes que é comum as pessoas se perderem durante o processo seletivo do FIES.

O segredo é chegar à disputa com foco, sabendo qual curso deseja fazer e em qual faculdade você quer estudar. Para facilitar sua busca a gente foi atrás de algumas ótimas instituições, que oferecem cursos diversos e têm presença em praticamente todo o Brasil.

Veja o que encontramos:

Veja também:

Confira como fazer a inscrição no FIES

Entendeu os novos critérios do FIES? Tem mais alguma dúvida? Se tiver, conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin