Descubra qual é o piso salarial para quem faz magistério

Quanto será que ganha um professor? A gente tem a resposta. Confira aqui qual o piso salarial do magistério no Brasil!

O magistério é atividade com altíssima empregabilidade no Brasil, tanto na rede de ensino pública quanto na particular.

A prova disso é a quantidade de alunos matriculados em cursos de licenciatura nas mais diferentes áreas: são mais de 1,6 milhão atualmente!

Mas será que ser professor é um bom negócio no Brasil?

A seguir, descubra qual é o piso salarial para quem faz magistério e onde encontrar formação de qualidade para brilhar nesse mercado!

Piso salarial para magistério

O piso salarial para quem fez magistério e trabalha na rede pública da educação básica é de R$ 2.886,24 para a jornada de 40 horas semanais.

Esse é o valor nacional estabelecido no início de 2020 pelo governo federal, com base na Lei do Piso (Lei 11.738/2008).

O piso salarial do magistério vale para profissionais em início de carreira.

O reajuste é anual e acontece sempre no mês de janeiro. A regra vigora desde 2009, quando o piso era de R$ 950.

Esse valor, no entanto, pode mudar de acordo com o estado – mas sempre para cima (pelo menos na teoria!). Por lei, os professores da rede pública não podem ganhar menos que isso.

No Maranhão, por exemplo, os professores da rede pública recebem, no mínimo, R$ 5.750,84. É o piso mais alto do Brasil!

Na sequência vem o Mato Grosso do Sul, com salário de R$ 5.553; depois tem Tocantins, com R$ 4.377,07; Mato Grosso, com R$ 4.349,55 e Roraima, com R$ 4.004,82.

Na rede privada de ensino, a negociação é diferente – e geralmente o professor ganha por hora/aula, o que pode variar os ganhos de acordo com o semestre.

Hoje, os valores da rede pública são aplicados a profissionais com licenciatura e em grau de magistério – mas isso deve mudar muito em breve.

Entenda o porquê a seguir!

As mudanças para quem tem magistério

O magistério é um nível de formação de grau médio que habilita o profissional a trabalhar na educação infantil.

Ainda é aceito em diversos estados brasileiros para preencher o quadro de professores, mas esse cenário está para mudar.

Com base na Lei de Diretrizes e Bases da Educação, o governo quer que todos os professores que trabalham na rede pública tenham curso superior.

O prazo máximo para isso acontecer já está contando: até 2024. Portanto, se você trabalha como professor e ainda não tem curso superior, o momento de correr atrás de uma licenciatura é agora!

Veja mais detalhes a seguir.

Licenciatura para quem tem magistério

Para quem já trabalha no ensino público, os cursos de licenciatura não vão ser um bicho de sete cabeças.

A formação mais procurada pelos profissionais que têm magistério é certamente Pedagogia.

O curso tem três ou quatro anos de duração, é de nível superior e habilita profissionais a trabalharem com os primeiros anos da educação básica, na administração escolar e no planejamento didático-pedagógico.

É o mais popular do Brasil, com disponibilidade em nada menos que 1.137 faculdades – a maioria na rede particular – e quase 750 mil matriculados.

O que explica o sucesso de Pedagogia são as chances que a profissão oferece de conseguir trabalho nas redes pública e privada de ensino.

A alta disponibilidade do curso, no EAD e no presencial, também colabora bastante para que Pedagogia ocupe o segundo lugar entre os mais procurados do Brasil, perdendo apenas para Direito.

Mas nem só de Pedagogia vivem as licenciaturas. Há uma oferta imensa de cursos, todos com duração que varia de 3 a 4 anos e diploma de nível superior reconhecido no mercado.

É o tipo de formação buscado por quem quer ser professor de diferentes áreas de conhecimento do ensino fundamental e médio: matemática, história, geografia, etc.

Além desses, temos também:

  • Artes
  • Biologia
  • Ciências Sociais
  • Computação
  • Educação Especial
  • Educação Física
  • Filosofia
  • Física
  • Letras (diversas habilitações em língua estrangeira e portuguesa)
  • Música
  • Química
  • Teatro

Todos os anos, as faculdades brasileiras oferecem quase três milhões de vagas em cursos na área de educação – ou seja: não vão faltar oportunidades para quem quer aumentar seu nível de formação.

Outra vantagem importante é o investimento necessário para a formação. Geralmente as licenciaturas estão entre os cursos mais em conta das faculdades privadas, além de poderem ser feitos com bolsas, financiamentos ou gratuitamente em instituições públicas.

Veja a seguir como garantir um ensino de qualidade!

Como fazer uma boa licenciatura

Fazer uma licenciatura de qualidade e garantir seu espaço em escolas por todo o Brasil não é mistério.

Antes de se matricular, o futuro estudante precisa observar três itens fundamentais:

  • Se a faculdade escolhida tem autorização do Ministério da Educação (MEC) para funcionar.
  • Se o curso é bem avaliado pelo MEC, com notas que vão de 3 a 5 em todos os quesitos (você pode ver esses dados no próprio site do MEC).
  • Se a faculdade oferece o curso no formato que você busca, presencial, semipresencial ou online.

Outra dica importante: se a instituição participa de programas como ProUni ou FIES, pode ter certeza de que atendem aos requisitos de uma boa faculdade.

A seguir, a gente separou algumas faculdades que oferecem o curso de Pedagogia e diversas outras licenciaturas em diferentes formatos.

Confira:

Veja também:

Veja como conseguir uma bolsa de estudos para um curso EAD 

O que achou do piso salarial dos professores? Conte para a gente aqui nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin