Descubra quanto ganha um engenheiro de energia

O crescimento da população em todo o globo terrestre provoca, evidentemente, aumento da necessidade de produção de energia. E enquanto essa demanda sobe em proporção cada vez maior, cresce também a constatação de que são finitos alguns dos recursos até agora usados por nós sem muito critério.

Sabe-se que não é mais possível descuidar da preservação do meio ambiente, sob pena de se tornar inviável o uso do ar e da água e, portanto, impossível a vida vegetal, animal e humana. Felizmente há fontes limpas e renováveis de energia e é no seu estudo e desenvolvimento que atua, entre outros profissionais, o engenheiro de energia.

Quer saber mais sobre essa profissão? Leia este post até o final!

O que faz um engenheiro de energia?

Ele trabalha com todos os tipos de energia que formam a matriz energética do Brasil (e do mundo), tanto as não renováveis, obtidas do carvão, petróleo, gás natural ou urânio, quanto as renováveis, como eólica, hídrica ou solar. Além disso, planeja e acompanha o desenvolvimento de sistemas de geração, transmissão, distribuição e uso de energia.

A ele cabe analisar, escolher e fazer funcionar a forma energética mais adequada, sempre procurando novas tecnologias e modos de conduzir toda a cadeia produtiva de energia com economia e com o melhor aproveitamento, inclusive na implantação de novas usinas.

O engenheiro de energia e seu trabalho no âmbito público

Na esfera pública, faz pesquisas para elaborar programas de energia em determinado setor ou região, levando em conta a manutenção e expansão da rede, seus aspectos sociais e econômicos, com soluções de segurança, racionais e ecologicamente corretas.

Especialmente quanto à energia eólica ao dispor da população, o Brasil tem posição de destaque: está em quinto lugar no mundo como empregador nessa modalidade, atrás da China, Alemanha, EUA e Índia, e lidera sua produção na América Latina. Já tem vários parques eólicos, outros estão sendo implantados, por isso há demanda por especialistas.

Quanto ganha um engenheiro de energia?

A remuneração pode variar de acordo com o tempo de experiência do profissional, o porte do empregador, a região. O salário de um engenheiro desta área pode ir de R$ 6.173, para recém-formados, a R$ 19.520, para aqueles com experiência máxima. O salário médio no país é R$ 10.393.

Como é o curso de Engenharia de Energia?

É um bacharelado com 5 anos de duração, relativamente novo. Nele são formados profissionais especialmente atentos à correlação entre a geração e uso da energia e seu impacto no meio ambiente. Estudam-se detalhada e profundamente os aspectos do grande desafio atual, que é gerar progresso e riqueza sem danos ecológicos.

Esse curso aparece com outras denominações, como Engenharia Bioenergética, Engenharia de Energias e Meio Ambiente, Engenharia de Energias Renováveis etc. São obrigatórios estágio e trabalho de conclusão de curso. Legislação e normas que regem o setor fazem parte da grade curricular, junto com matérias como:

  • Algoritmos e Estruturas de Dados
  • Bioquímica
  • Cálculo
  • Circuitos e Instalações Elétricas
  • Eletrotécnica e Automação
  • Energia Eólica
  • Energia Hidrelétrica
  • Energia Solar
  • Energias Não Renováveis
  • Engenharia de Segurança
  • Física
  • Fundamentos de Economia
  • Gestão Ambiental
  • Informática e Introdução à Programação
  • Levantamento de Potencial Energético
  • Máquinas e Equipamentos
  • Metodologia Científica
  • Química
  • Sociologia, Política e Desenvolvimento Rural
  • Termodinâmica

Qual é o perfil do engenheiro de energia?

É preciso habilidade na comunicação, gostar de trabalhar em equipe e de lidar com funções que envolvam muita disciplina. É importante ter espírito empreendedor com relação ao setor energético, comprometimento para avaliar seus reflexos ambientais e sociais, bem como capacidade para planejar e inovar em questões tecnológicas.

Como é o mercado de trabalho?

A atuação do engenheiro de energia pode ser em institutos, universidades, empresas. Também, em serviços de manutenção e operação de instalações já existentes. E, ainda, como consultor de eficiência energética, avaliando e otimizando o consumo em grandes organizações, nas áreas metalmecânica, petroquímica, petrolífera.

Há demanda de empresas que geram, transmitem, distribuem e comercializam energia, para que este engenheiro faça seu planejamento industrial. O governo federal, que tem grande empenho na melhoria da oferta e no incremento da eficiência do setor energético, busca este profissional para elaborar políticas públicas a respeito.

Saiba também sobre novas fontes de energia

Novas fontes de energia são cada vez mais usadas: a de biomassa, a solar, a eólica e até a marítima, obtida do movimento das ondas. Essas novidades, além do crescente consumo de energia sob todas as formas, fazem o mercado ser positivo para o profissional da área, que tem bom campo para atuar em pesquisa e desenvolvimento.

Santa Catarina e Paraná, com a energia de biomassa; o Nordeste, com seus grandes parques eólicos: empresas destes locais também contratam o engenheiro de energia.

Curso de Engenharia de Energia ou Engenharia Elétrica?

Se você quer fazer bacharelado relativo a energia, há alternativas que podem te interessar. Uma delas é o curso de Engenharia Elétrica, que também dura 5 anos e existe a distância (EAD) ou presencial. Você se habilitará em muitas áreas, começando com as matérias básicas das engenharias, para depois entrar em Eletrônica, na qual verá o seguinte:

  • Circuitos (computadores, aparelhos biomédicos, vídeo);
  • Telecomunicações (rádio/TV, telefones, radar);
  • Geração, Transmissão e Distribuição de Energia;
  • Eletrônica de Potência (energia de melhor qualidade com menos impacto ambiental);
  • Processamento de Sinais (áudio e vídeo); 
  • Sistemas de Controle (piloto automático de veículos e aeronaves, automação predial e industrial). 

Seu conhecimento será mais amplo, bem como suas possibilidades profissionais.

Onde estudar Engenharia de Energia ou Engenharia Elétrica?  

Trouxemos para você, abaixo, uma lista com faculdades onde você poderá cursar Engenharia de Energia ou Engenharia Elétrica, EAD (ensino a distância) ou presencialmente. Todas são reconhecidas pelo MEC e bem avaliadas, o que é condição para seu diploma ser válido. 

Elas têm programas próprios de financiamento, descontos nas mensalidades, convênios e bolsas de estudos. Além de aceitarem sua nota do Enem para ingresso direto e também participarem de programas como ProUni e FIES para facilitar o pagamento: 

Veja mais:

Descubra como fazer a inscrição para o Fies 2020.2

Entenda como tentar uma bolsa de estudos integral 

Vai trabalhar com energia? Já escolheu qual vai ser o bacharelado? Conte para a gente nos comentários!  

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin