dcsimg

Descubra qual é o salário de quem faz Secretariado Executivo

Será que a carreira de Secretariado Executivo paga bem? A gente tem algumas médias salariais pra você!

Fácil de ser encontrado nas principais faculdades do Brasil, o curso de Secretariado Executivo conta com mais de 11 mil matriculados atualmente.

Eles estão se preparando para tentar uma das tantas oportunidades que surgem com frequência para secretários dinâmicos, versáteis e poliglotas.

Mas será que a área paga bem?

Descubra qual é o salário de quem faz Secretariado Executivo e encontre as melhores faculdades para fazer seu curso!

O salário de Secretariado Executivo

O salário de quem faz Secretariado Executivo aumenta de acordo com a experiência do profissional.

Isso porque os secretários executivos têm a missão de assessorar de perto cargos de alta hierarquia corporativa.

Ou seja: eles são o braço direito de altos executivos, o que inclui diretores, presidentes, vice-presidentes e gerentes de empresas de grande porte.

É uma responsabilidade e tanto.

Por isso, no geral, os cargos têm uma boa remuneração.

Conheça a seguir algumas médias salariais sugeridas pela plataforma Trabalha Brasil:

Secretário executivo em início de carreira: recém-formados encontram salários entre R$ 2.000 em empresas pequenas e R$ 4.200 em empresas maiores.

Secretário executivo pleno: com 4 a 6 anos de atuação, o salário pode variar entre R$ 3.100 e R$ 5.300.

Secretário executivo sênior: a partir de 6 a 8 anos de experiência, os salários oscilam, em média, entre R$ 3.900 e R$ 6.600.

Secretário executivo máster: aqueles que têm mais de 8 anos de experiência podem ganhar entre R$ 4.900 e R$ 8.300.

Os valores também mudam de acordo com a qualificação do profissional.

Quem trabalha há bastante tempo em empresas de grande porte pode receber salários acima de R$ 12.000.

O domínio do idioma também faz uma boa diferença. Secretários trilíngues, por exemplo, podem receber salários que variam de R$ 3.600 a R$ 7.400.

Já os que falam bem dois idiomas podem ganhar entre R$ 2.300 e R$ 4.800.

Aqui você já percebe uma pista importante: para ter mais chances como secretário executivo é imprescindível investir no aprendizado de línguas estrangeiras. Inglês e espanhol são os básicos. Mandarim, japonês, farsi, alemão e francês são opções interessantes.

Investir em pós-graduações também é importante para se destacar numa seleção de emprego.

O curso de Secretariado Executivo

O melhor caminho para entrar nesse universo tão dinâmico é fazer o curso superior de Secretariado Executivo.

A formação está disponível em dois graus: o bacharelado, com quatro anos de duração, e o tecnológico, com três.

No Brasil a maior oferta é de curso tecnológico, uma formação de nível superior focada nas necessidades do mercado de trabalho – o que aumenta ainda mais a empregabilidade para os secretários executivos.

Ambos os cursos trabalham o desenvolvimento de conceitos fundamentais para a área executiva, como gestão estratégica, produção de eventos, preparação e acompanhamento de agendas, direito empresarial, administração, economia e tantos outros.

Isso é essencial para que o secretário possa chegar ao mercado a par de sua rotina de trabalho, que envolve, por exemplo, planejamento de viagens, agendamento de reuniões, organização de correspondências e arquivos, preparação de eventos, e, principalmente, comunicação com clientes, fornecedores e outros gestores.

Para quem tem o dia a dia puxado ou que gosta de outras maneiras de estudar, o curso oferece a vantagem de poder ser feito a distância, com reconhecimento do Ministério da Educação (MEC).

Ou seja: o estudante tem a oportunidade de fazer a graduação no seu horário livre, com total flexibilidade.

Ao final dos estudos, poderá tentar uma das tão desejadas vagas oferecidas por empresas multinacionais, indústrias, assessorias e consultorias, ONGs e também no ramo comercial.

Como entrar em Secretariado Executivo

Um bom secretário executivo começa sua vida profissional em uma boa faculdade.

Os estudos e as vivências oferecidas pelas instituições irão preparar o profissional para encarar o concorrido ambiente executivo.

Por isso, é fundamental buscar formação em uma faculdade de qualidade. Quanto mais conceituada, mais chances de começar a carreira com o pé direito.

Hoje há diversas maneiras de entrar no curso de Secretariado Executivo.

As mais comuns são:

Sisu: para quem fez o Enem mais recente, tirou nota acima de zero na redação e está pensando em estudar em universidade pública. As vagas são bastante disputadas, já que poucas instituições da rede pública oferecem o curso.

ProUni: uma alternativa para quem busca fazer Secretariado Executivo com bolsa de estudos em faculdades privadas. Dá para tentar o benefício em cursos presenciais e EAD por praticamente todo o Brasil. O programa é destinado a alunos de baixa renda que fizeram o Enem mais recente e obtiveram uma boa nota nas provas.

FIES: possibilita ao aluno de Secretariado Executivo financiar o curso com ajuda do governo federal. Dependendo do perfil do candidato, o crédito é concedido a juro zero e um prazo bem longo para pagamento da dívida. O programa exige que os interessados tenham feito qualquer Enem a partir de 2010, tenham boa nota nas provas e atendam ao requisito de renda familiar, que não pode exceder os cinco salários mínimos por pessoa da família.

Ingresso direto: se você não quer perder tempo em processos seletivos e quer logo entrar em Secretariado Executivo, o ingresso direto é a melhor saída. Aqui, basta informar as notas obtidas em qualquer edição do Enem a partir de 2010 e garantir vaga quase automaticamente.

Quer algumas sugestões onde encontrar o curso de Secretariado Executivo com qualidade reconhecida pelo MEC? Comece então pela Cruzeiro do Sul Virtual (a distância).

Veja também:

Descubra como fazer o curso de Secretariado Executivo EAD

Está pensando em enveredar pela área de Secretariado Executivo? O que achou dos salários? Conte para a gente nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin