Osteopata: o que é e como se tornar um?

Você já ouviu falar em osteopatia? Esta técnica presente em vários países da Europa e nos Estados Unidos está se popularizando no Brasil como alternativa de tratamento para algumas doenças.

Encontre bolsas de estudo de até 80%

Confira a seguir quais são os objetivos da osteopatia e quais são os critérios exigidos para se tornar um osteopata.

O que é osteopatia?

A osteopatia é uma especialidade da Fisioterapia ou da Medicina, a depender do país, embasada em uma filosofia de tratamento que acredita no poder de autocura do corpo humano, a partir de um funcionamento em harmonia dos seus ossos, músculos, ligamentos e tecido conjuntivo.

Surgiu nos Estados Unidos em 1874, criada pelo médico Andrew Taylor Still. Ele buscava uma nova forma de tratar seus pacientes, acreditando na individualidade do paciente e na interação interna e externa do corpo na busca pela resolução dos problemas de saúde.

Para Still, a filosofia osteopática deve seguir quatro princípios:

  1. Estrutura e função estão inter relacionadas em todos os níveis
  2. A unidade do corpo
  3. A autocura
  4. A lei da artéria

Ciente destes quatro conceitos básicos para a osteopatia, o profissional poderá aplicar uma abordagem integrando anatomia e fisiologia, sem remédios ou cirurgias.

O que é medicina alternativa?

A medicina alternativa, ou pseudomedicina, engloba várias práticas que buscam alcançar o mesmo objetivo da medicina tradicional: o tratamento e cura do paciente, mas que, não possuem sua efetividade aferida, ou já tiveram sua ineficácia comprovada.

As técnicas de medicina alternativa muitas vezes fazem parte das culturas dos povos por séculos, sendo muito difícil debatê-las, pois tratam-se de crenças históricas das populações, mas sem o reconhecimento científico.

Algumas das práticas consideradas como medicina alternativa são:

  • Acupuntura
  • Aromaterapia
  • Arteterapia
  • Auriculoterapia
  • Ayurveda
  • Biodança
  • Cromoterapia
  • Fitoterapia
  • Florais de Bach
  • Homeopatia
  • Iridologia
  • Magnetoterapia
  • Medicina natural
  • Medicina ortomolecular
  • Musicoterapia
  • Quiropraxia
  • Reflexologia
  • Reiki

Qual é a função de um osteopata?

O osteopata é o profissional que utiliza da filosofia osteopática para identificar e tratar disfunções de mobilidade dos tecidos corporais.

O NHS, órgão de saúde do Reino Unido, sugere como funções de osteopata o tratamento dos seguintes problemas:

  • dor na região lombar
  • dor no pescoço não complicada 
  • dor no ombro e dor no cotovelo
  • artrite
  • problemas com a pélvis, quadris e pernas
  • lesões esportivas
  • dores musculares e articulares associadas à condução, trabalho ou gravidez

O NHS alerta que não há evidências científicas para a efetividade de tratamento das seguintes condições: asma, dor menstrual, desordens digestivas, depressão, choro excessivo em bebês (cólicas), problemas que afetam a mandíbula e curvatura anormal da coluna vertebral. Entretanto, alguns desses problemas podem ser objeto de estudo dos osteopatas.

Como se tornar um osteopata?

Por se tratar de uma medicina alternativa, a formação necessária para se tornar um osteopata é apresentada de forma diferente por alguns locais. 

De acordo com a Associação dos Osteopatas do Brasil (AOB), uma das entidades representativa sobre o assunto no país, os critérios para este método terapêutico são uma formação prévia em um curso superior de Fisioterapia ou Terapia Ocupacional e uma especialização com carga horária mínima de 1000 horas de aulas presenciais teórico-práticas e, no mínimo, 500 horas de atividades práticas supervisionadas.

osteopata

A AOB indica que este curso deve ter duração mínima de quatro anos e ainda indica uma base curricular mínima que siga os preceitos da filosofia osteopática.

Outra instituição existente, o Instituto Brasileiro de Osteopatia (IBO), informa em seu site que médicos e fisioterapeutas podem realizar um curso complementar de 1.500 horas para obter o título de D.O. (diploma em osteopatia), seguindo o formato utilizado em países europeus.

Segundo informações no blog do IBO, alunos no último ano de graduação de Medicina ou Fisioterapia podem iniciar o curso formativo em osteopatia.

Leia também: Conheça 5 cursos técnicos na área da Saúde 

Como é o curso de osteopatia?

De acordo com a AOB, um curso de especialização em osteopatia precisa ter em seu currículo base as seguintes disciplinas e conteúdos teóricos:

  • Modelos de saúde e doença;
  • Ética e deontologia (aplicada à Osteopatia);
  • Fisiologia, patologia básica e patofisiologia do sistema esquelético, sistema articular, sistema respiratório, sistema digestório, sistema genital masculino, sistema genital feminino, sistema endócrino, sistema tegumentar e sistema sensorial.
  • Diagnóstico ortopédico básico;
  • Imaginologia;
  • Anatomia funcional (geral e dos sistemas), inclusive embriologia básica, neuroanatomia e a anatomia visceral;
  • Bioquímica fundamental, fisiologia celular fundamental;
  • Fisiologia com ênfase especial na rede imune neuroendócrina, o sistema nervoso anatômico, arterial, linfático, sistemas venosos e o sistema musculoesquelético;
  • Biomecânica (anatomia funcional, cinemática, fisiologia articular e cinesiologia);
  • Desenvolvimento de habilidades teóricas e clínicas;
  • Filosofia e histórico da Osteopatia;
  • Modelos de Osteopatia para inter-relações estrutura/função;
  • Bases fisiológicas da Osteopatia (disfunção somática, facilitação medular, hipomobilidade e hipermobilidade, adaptação, compensação);
  • Posturologia (bases e princípios aplicados à Osteopatia);
  • Mecanismos de ação e fisiologias das técnicas osteopáticas; anamnese, exame físico e clínico;
  • Disfunções somáticas do sistema locomotor;
  • Disfunções somáticas viscerais (sistema digestório, sistema reprodutor, sistema cardiovascular e sistema respiratório);
  • Disfunções somáticas cranianas (articulações cranianas, suturas, membranas, sistema craniossacral, sistema de fluidos e nervos);
  • Diagnóstico osteopático (musculoesquelético, postural, visceral, craniano, fascial, neurovegetativo e craniossacral);
  • Diagnóstico diferencial dos sistemas nervoso, locomotor, cardiovascular, pulmonar, digestório, endócrino, imunológico, reprodutor e sensorial;
  • Solução de problemas clínicos e raciocínio/argumentação;
  • Entendimento de pesquisa pertinente e sua integração na prática; registro e documentação clínica;
  • Desenvolvimento das habilidades osteopáticas:
  • Diagnóstico osteopático;
  • Técnicas osteopáticas, inclusive técnicas diretas, tais como impulso (diretas, semi diretas e indiretas), articulatórias, energia muscular e stretching;
  • Técnicas indiretas, inclusive técnicas funcionais; counterstrain, técnica de Still point;
  • Técnicas de equilíbrio, tais como, equilíbrio das tensões ligamentares e bombeio;
  • Técnicas miofasciais (liberação, relaxamento, indução, creeping) e técnica de Still point;
  • Técnicas osteopáticas no campo craniano (técnicas diretas e indiretas; tais como thurst, Sutherland, articulatórias, counterstrain, funcionais indiretas, v-spread);
  • Técnicas osteopáticas no campo visceral (técnicas diretas e indiretas; como técnicas por alavancas, lifts, bombeios, inibições, Still point, fáscias);
  • Técnicas osteopáticas no campo dos nervos cranianos (manipulação);
  • Técnicas osteopáticas no campo dos nervos periféricos (manipulação);
  • Técnicas osteopáticas no campo da divisão autonômica do sistema nervoso;
  • Técnicas no campo craniossacral;
  • Técnicas baseadas no reflexo, tais como reflexos de Chapman, Bennet, Dickie, pontos gatilhos e técnicas neuromusculares;
  • Técnicas no campo dos fluidos, tais como técnicas de bombeio linfático e de manipulação arterial.

A AOB diz que outros assuntos podem ser abordados dentro do curso, mas eles devem ser oferecidos como carga horária complementar, separando da contagem de horas obrigatórias para formação. Além dessas disciplinas, haverá a formação prática supervisionada.

Quanto custa uma formação em osteopatia?

As mensalidades do curso de especialização em osteopatia são semelhantes a de outras especializações da área da saúde com carga horária alta e prática, sendo possível encontrar locais com parcelas a partir de R$700.

Quanto tempo dura um curso de osteopatia?

A duração média de uma especialização em osteopatia é de, no mínimo, dois anos. O curso pode demorar mais tempo, conforme a distribuição das aulas e conteúdos para formações adicionais e certificações internacionais.

Onde encontrar cursos na área da Saúde?

Independentemente se você acha válido ou não o uso da osteopatia ou outras técnicas de osteopatia, saiba que o que realmente vai te dar uma ótima base para conhecer o setor da saúde, suas regras e bases científicas é um curso de graduação.

A área de saúde conta com cursos para todos os gostos: medicina e suas especializações, biomedicina, enfermagem, odontologia, fisioterapia, fonoaudiologia, farmácia e nutrição são alguns exemplos de carreiras que você pode seguir.

Você sabe onde encontrar estes cursos com descontos nas mensalidades que podem chegar a até 80%? Algumas faculdades oferecem essas vantagens e possibilidade de ingresso facilitado durante o ano todo! E o melhor: todas são reconhecidas pelo MEC (Ministério da Educação) e fornecem uma formação com diploma válido em todo o Brasil. Conheça algumas dessas instituições de ensino e escolha uma opção mais perto de você:

Leia também:

Descubra quais são as especializações em Medicina 

Qual sua opinião sobre a osteopatia? Deixe um comentário abaixo!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin