Saiba tudo sobre o mercado de trabalho de Ciências Econômicas

Há várias opções de trabalho para quem faz Ciências Econômicas, cada uma mais interessante que a outra. Veja aqui!

Entender a economia mundial é um desafio e tanto. Onde estamos? Para onde vamos? Quais são reais os impactos da pandemia que paralisou o planeta?

Felizmente, os economistas estão aí para jogar uma luz nesse labirinto de ideias.

São profissionais que entendem dos fluxos de mercado, das taxas e variações cambiais, além das questões sociais que definem a economia.

Por isso, não é de se espantar que as oportunidades de trabalho para os economistas estejam tão em alta.

A seguir, saiba tudo sobre o mercado de trabalho em Ciências Econômicas!

O mercado de trabalho de Ciências Econômicas

Economistas têm uma formação voltada tanto para o mercado financeiro quanto para questões ligadas a Sociologia, Direito, Relações Internacionais e Gestão.

Esse perfil multidisciplinar amplia bastante a área de atuação dos profissionais, que podem assumir cargos em diferentes tipos de organizações.

A gente listou abaixo algumas das mais conhecidas:

Mercado financeiro

O mercado financeiro é um dos campos de atuação mais conhecidos dos economistas.

Nele, os profissionais acompanham as flutuações do mercado, indicam os investimentos mais rentáveis aos clientes, fazem análise de risco, negociações, estudam títulos de crédito, observam juros e parcelamentos, fontes de financiamento e relações com o mercado internacional.

É uma área que tem crescido bastante, acompanhando a popularização dos fundos de investimento para pessoas físicas.

Corporações

Economistas podem assumir diferentes funções nos departamentos de finanças de qualquer tipo de empresa.

As atividades geralmente estão ligadas à gestão de recursos e desenvolvimento de projetos estratégicos na área econômica: estudo de mercado, viabilidade, tendências, investimentos, impostos, formação de preços, alocação de recursos, capital de giro, remuneração, comportamento organizacional e legislação tributária.

Os bancos, as indústrias e as empresas multinacionais estão entre os maiores contratantes.

Para se dar bem nessa área, a gente recomenda que os futuros economistas invistam primeiramente em uma formação de qualidade e, posteriormente, em pós-graduações tipo MBA.

Nesta área de atuação estão alguns dos salários mais atraentes para quem entra na área.

Institutos de pesquisa

As Ciências Econômicas têm um perfil bastante analítico, muito útil para quem quer enveredar pela área de pesquisa.

Como os mercados mudam a cada dia, essas pesquisas se revelam essenciais.

Geralmente são encomendadas por empresas privadas ou pelo serviço público para ajudar na tomada de decisão, entender o comportamento de consumidores e produtores, o nível de emprego no comércio e na indústria, o papel do Estado, poupanças, economia brasileira, contabilidade social, teorias contemporâneas.

Serviço público

O setor público contrata economistas com frequência. Eles podem ocupar cargos em órgãos de fiscalização financeira e orçamentária (TCU, por exemplo), trabalhar em ministérios, secretarias, empresas públicas, bancos (Caixa Econômica, Banco do Brasil, Banco Central) e muito mais.

Para isso, vale lembrar, é preciso passar por concurso público.

Ensino superior

O ensino superior é outro filão interessante para os economistas. Há uma demanda crescente para professores bem qualificados em cursos como Contabilidade, Direito, Administração, Ciências Sociais, Comunicação Social e, claro, em Ciências Econômicas.

A expansão do ensino a distância também tem turbinado a busca por professores de nível superior.

Vale lembrar que para disputar vagas de professor universitário o profissional deve ter concluído uma pós-graduação: especialização (para as faculdades privadas), mestrado ou doutorado (para as públicas).

Organizações mundiais

Grandes organizações mundiais, como o FMI, a ONU e o Banco Mundial contratam economistas com frequência.

Geralmente são trabalhos voltados para a questão da distribuição de renda e desequilíbrios regionais que demandam uma combinação de aplicação prática e fundamentação teórica.

É um ramo recomendado para quem se preocupa com causas sociais e tem interesse em trabalhar num contexto internacional – muitas vezes alocados em outros países.

Organizações não governamentais (ONGs)

Com frequência as ONGs solicitam trabalho do economista para ajudar na elaboração e aplicação de diferentes projetos.

É um campo de trabalho interessante, com pegada social forte em setores bem diversificados.

Na maioria das vezes, o economista empresta seu conhecimento sobre mercados, gastos públicos, tributos e legislação para ajudar a consolidar ações.

O curso de Ciências Econômicas

Ciências Econômicas é um bacharelado com quatro anos de duração. O curso pode ser encontrado em aproximadamente em 200 faculdades pelo Brasil – várias delas com disponibilidade na modalidade EAD.

A graduação é bem desafiadora. A grade curricular do curso traz disciplinas sobre contabilidade, matemática financeira, análise de investimentos, comportamento organizacional, capital de giro, análise financeira, legislação, modelos de gestão, cálculo, história econômica, teorias econômicas e desenvolvimento econômico.

Além disso, tem uma carga forte de leituras críticas, discussões em grupo e algumas aplicações práticas (por meio dos estágios).

A versão EAD de Ciências Econômicas está presente em cerca de 40 faculdades e oferece tudo isso num modelo mais flexível de estudos. Os alunos fazem boa parte do curso de casa, por meio de videoaulas e ferramentas digitais de aprendizado, e ainda concluem os estudos com um diploma válido no mercado de trabalho.

O curso apresenta valores bastante variados. As opções presenciais têm um valor médio de mensalidade por volta de R$ 900.

Já a versão EAD custa um terço disso: R$ 300 na maioria das faculdades.

Onde estudar Ciências Econômicas

Ciências Econômicas é uma área muito competitiva, por isso é fundamental apostar num ensino de qualidade.

Portanto, inclua no seu radar apenas faculdades reconhecidas e bem avaliadas pelo Ministério da Educação (MEC) e que sejam bem vistas pelo mercado de trabalho – independentemente se a opção escolhida for presencial ou EAD.

Abaixo a gente separou algumas boas faculdades onde você encontra o curso de Ciências Econômicas:

Veja também:

Quanto preciso tirar no Enem pra passar em Ciências Econômicas?

Em qual área das Ciências Econômicas você gostaria de atuar? Conte para a gente nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin