Conheça 7 novas profissões que estão em alta no futuro

Você está se preparando para encarar as novidades que vêm por aí? Veja agora mesmo algumas das profissões promissoras para o futuro!

A gente até consegue imaginar algumas profissões que estarão bombando daqui a uns anos. Mas quando pensamos num tempo mais distante, vêm à mente atividades completamente inusitadas.

E pode acreditar: muitas já são realidade hoje.

Quando você imaginou que teríamos profissionais dedicados a desenvolver todos os detalhes da personalidade de um robô?

Ou caçadores de fake news?

Pois é, essas são algumas das profissões mais incríveis que estão surgindo e devem se fortalecer nos próximos anos.

Quer saber mais?

Então conheça as 7 novas profissões que estarão em alta no futuro e o que estudar para fazer bonito lá na frente!

7 novas profissões que estão em alta no futuro

Peter Drucker, o pai da gestão moderna, disse certa vez que a “a melhor maneira de prever o futuro é criá-lo”.

E, ao que parece, a humanidade entendeu bem a mensagem. Algumas profissões que há poucos anos eram completamente impensáveis já estão com tudo no mercado!

A gente separou algumas delas para você ter ideia do que estamos falando:

1.    Especialista em delivery automatizado

A pandemia de covid-19 consolidou o serviço de entrega como um dos mais importantes do momento.

É possível pedir tudo muito rapidamente por meio de um aplicativo: comida, dinheiro, remédio, até a feira do mês.

Mas a entrega ainda é feita da forma tradicional – e as empresas querem buscar alternativas a isso.

Quem estiver disposto a colaborar com pesquisa de soluções para um delivery mais rápido e automatizado (por drone, por exemplo) certamente será muito valorizado no mercado de trabalho.

Cursos que você pode fazer para entrar nesta área:

  • Logística
  • Engenharia Robótica
  • Engenharia Elétrica
  • Engenharia Mecatrônica
  • Ciências da Computação

2.    Designer de personalidade (ou psicólogo de robô)

O uso da inteligência artificial está tão avançado que hoje os profissionais precisam desenvolver personalidades para suas máquinas.

Essa tática aproxima as pessoas dos robôs. Não é por acaso que as gigantes de tecnologia têm apostado tanto nos chamados “assistentes virtuais”.

A demanda por psicólogos de robôs e “designers de personalidade” tem crescido substancialmente. A ideia é que eles desenvolvam uma personalidade única para produtos e serviços digitais.

Para isso é preciso ter conhecimentos amplos de psicologia, sociologia e de inteligência artificial.

Os cursos mais indicados são:

  • Psicologia
  • Internet das Coisas
  • Engenharia de Software
  • Sociologia
  • Filosofia
  • Ciência de Dados

Vale lembrar que esses cursos fornecem os fundamentos. As especificidades que a profissão exige são aprendidas por meio de cursos extras (pós-graduações ou de formação) e experiência.

3.    Internet das coisas

Nem precisa ir a um futuro distante para entender que o profissional de Internet das Coisas será um dos mais solicitados do mercado.

É que ele tem a responsabilidade de criar projetos que automatizam e tornam mais inteligentes objetos que usamos no dia a dia.

Como, por exemplo, uma fechadura capaz de ler os rostos de uma família inteira, conectar a uma base de dados e abrir a porta sem precisar de chave.

Ou um vaso que dispara um sistema de irrigação sempre que detecta baixo nível de umidade na terra.

As possibilidades são infinitas! O profissional precisa ter visão de produto, de mercado e ser um consumidor voraz de tecnologia.

Cursos para quem quer trabalhar com Internet das Coisas:

  • Internet das Coisas
  • Marketing
  • Designer de Produto
  • Arquitetura e Urbanismo
  • Ciência da Computação
  • Engenharia de Computação
  • Engenharia de Controle e Automação

4.    Caçadores de fake news e dados falsos

A inteligência artificial já não é mais um atributo do futuro. Ela está operando aqui, agora, neste exato momento.

Mas ainda há muito a ser feito para aperfeiçoar as dinâmicas que envolvem AI.

Uma delas é identificar, dentro do gigantesco volume de dados que circula pela internet a cada segundo, quais informações são valiosas e quais são falsas.

Por isso, estudiosos têm investigado maneiras de fazer isso automaticamente, por meio do desenvolvimento de softwares e hardwares sofisticadíssimos.

Fake news e dados falsos prejudicam o aperfeiçoamento de algoritmos de personalização, atrapalham a relação entre consumidores e mercados, atrasam o aperfeiçoamento tecnológico.

Para se dar bem na área, o profissional precisa ter um perfil extremamente analítico, pensamento lógico e facilidade de lidar com tecnologias avançadas.

Os cursos que oferecem formação de base para quem quer trabalhar na área são:

  • Comunicação Social
  • Logística
  • Psicologia
  • Direito
  • Estatística
  • Ciências da Computação
  • Análise e Desenvolvimento de Sistemas
  • Banco de Dados
  • Sistemas para Internet
  • Ciência de Dados
  • Defesa Cibernética
  • Tecnologia da Informação

5.    Professor de máquinas quânticas

Calma! Não é que teremos um professor em sala de aula ensinando máquinas a como agir.

Aqui o professor é, na verdade, um desenvolvedor de soluções inteligentes que facilitam o aprendizado automático de algoritmos e sistemas, possibilitando que as máquinas façam análise crítica, identifiquem dados nocivos (ajudadas pelos caçadores de fake news) e detectem tendências.

É um facilitador, um profissional com perfil criativo, matemático, com experiência em computação quântica.

Para entrar nessa área é preciso investir em formações de base tecnológica e neurocientífica.

Veja alguns cursos possíveis:

  • Psicologia
  • Medicina
  • Engenharia de Computação
  • Engenharia de Produção
  • Design de Produto
  • Design Gráfico

O interessado precisa fazer cursos relacionados a machine learning, interface homem-máquina e design de experiência (UX).

6.    Designer de voz

A gente já está se acostumando a usar a voz como comando em diversas plataformas tecnológicas.

No celular, temos a Siri e o Waze, por exemplo. Assistentes virtuais (Alexa, Google Assistent) estão se tornando um hit de mercado.

Fora isso, já temos tecnologia que permite ligar luzes por voz, fazer compras, etc.

Atrás de tudo isso, há uma equipe multidisciplinar capaz de elaborar interações, estabelecer diferentes vozes para diferentes públicos e naturalizar a fala eletrônica.

Assim como a linguagem humana, a digital é cheia de sutilezas: entonação, léxico, respostas. Os designers de vozes têm um bom nicho a explorar.

Para entrar na área, opte por um destes cursos:

  • Fonoaudiologia
  • Psicologia
  • Música
  • Rádio e TV
  • Jornalismo
  • Artes Cênicas

7.    Operador de Telemedicina caseira

A telemedicina está em plena atividade – especialmente em tempos de pandemia, em que frequentar clínicas e hospitais tornou-se uma tarefa complicada.

Mas é preciso aperfeiçoar a tecnologia, especialmente no que diz respeito à interação entre o médico e o paciente que está em casa.

As empresas já estão pensando em modelos econômicos de tornar os diagnósticos remotos mais precisos, administrar remédios com segurança e prestar ajuda sempre que necessário.

Em clínicas especializadas, os médicos já estudam como fazer cirurgias remotamente.

Para entrar com tudo na telemedicina, você precisa de formação em cursos como:

  • Medicina
  • Enfermagem
  • Fisioterapia
  • Radiologia
  • Engenharia de Controle e Automação
  • Engenharia Robótica

Onde fazer um curso que estará em alta no futuro

Os cursos que listamos acima podem ser encontrados em milhares de faculdades pelo Brasil, tanto na rede de ensino pública quanto na particular.

Procure sempre instituições bem avaliadas pelo Ministério da Educação (MEC). Vale estudar a distância ou presencialmente.

Abaixo, a gente traz algumas boas faculdades onde você encontra a maioria dos cursos que formarão os profissionais do futuro.

Conheça:

Veja também:

Saiba quais serão as faculdades do futuro

Que tal as profissões do futuro? Interessou-se por alguma delas? Conte para a gente nos comentários!

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin