Entenda o que é inteligência emocional

Se você está sempre de olho em sites, artigos e dicas para melhorar seu perfil profissional, com certeza já ouviu falar em inteligência emocional. Este conceito desenvolvido pela psicologia é usado para designar a capacidade do ser humano de lidar com as emoções e pode ser aplicado em todas as áreas da vida. Entretanto é na esfera profissional que ele tem ganhado cada vez mais repercussão.

Embora ainda seja muito comum se preocupar apenas com o aperfeiçoamento das habilidades técnicas, conhecidas como hard skills; para se destacar no mercado de trabalho e trilhar uma carreira sólida e relevante, desenvolver habilidades interpessoais, as soft skills, é extremamente importante. Inclusive, atualmente muitos recrutadores analisam o perfil do candidato com base nos pilares da inteligência emocional para definir se ele será uma boa adição para o time de uma empresa.

Quer saber mais sobre este conceito e como aplicá-lo à sua vida profissional? Continue a leitura deste artigo, que contém dicas para te ajudar a desenvolver inteligência emocional.

O que é inteligência emocional?

Antes de nos aprofundarmos no conceito de inteligência emocional, que tal olhar alguns cenários práticos e nos responder qual seria a sua reação? Veja a seguir:

  • Ao fazer uma apresentação para todos os líderes da empresa na qual trabalha, mesmo nervoso, você consegue ir até o final sem se atrapalhar?
  • Você já ficou irritado com alguém no ambiente de trabalho a ponto de querer brigar, mas conseguiu controlar sua raiva para não pesar o clima?

Se sua resposta foi não para as duas perguntas, neste artigo você vai aprender a desenvolver esta habilidade tão preciosa. Se sua resposta foi sim para as duas perguntas, parabéns! Você provou que tem inteligência emocional. Mas sempre é possível melhorar, não é mesmo? 

Como é possível ver no exemplo, inteligência emocional é o nome que se dá ao conjunto de competências relacionadas ao processamento, compreensão e gerenciamento de sentimentos e emoções. Ele parte do princípio de que somos seres racionais e por isso podemos, através do autoconhecimento, identificar o que estamos sentindo a fim de lidar com os sentimentos da melhor forma possível, sem colocar em risco outras esferas de nossa vida. Entretanto, isso só é possível por meio do equilíbrio de nosso cérebro, como explicamos no tópico a seguir.

Inteligência emocional e os hemisférios cerebrais

Atualmente existem estudos diversos tipos de inteligência, no entanto, quando falamos de inteligência emocional nos referimos a um conceito desenvolvido pela psicologia e que busca estudar a capacidade humana de estabelecer um equilíbrio entre os dois hemisférios do cérebro:

  • Hemisfério cerebral direito: Responsável pelas atividades ditas emocionais, o lado direito é a área que domina intuição, música, gestos, capacidade de síntese entre outras atividades.
  • Hemisfério cerebral esquerdo: Conhecido como o lado racional, é a área do cérebro que comanda as tarefas lógicas, analíticas, as linguagens, o conhecimento matemático e o pensamento linear.

Quando o lado emocional está em pleno equilíbrio com o racional, entender as emoções antes de reagir de forma impulsiva torna- se muito mais fácil.

Como surgiu o conceito de inteligência emocional?

Se você já procurou algo na internet sobre inteligência emocional, com certeza já se deparou com o nome Daniel Goleman. Este psicólogo, escritor e PhD da Universidade de Harvard, nos Estados Unidos, foi o responsável por popularizar o conceito de inteligência emocional com seu livro “Inteligência emocional: A teoria revolucionária que redefine o que é ser inteligente”.

Porém, no âmbito acadêmico, quem estruturou e definiu este conceito foram os psicólogos e pesquisadores estadunidenses Peter Salovey e John D. Mayer em 1990, cinco anos antes de Goleman publicar seu livro.

Décadas antes da definição do termo, em 1920, o psicólogo norte-americano Edward Thorndike já realizava pesquisas sobre a habilidade de administrar sentimentos e emoções.

Com base nesses fatos, já dá pra perceber que apesar de o tema estar em alta atualmente, o conceito de inteligência emocional é bem antigo e é amplamente pesquisado por psicólogos há bastante tempo. De acordo com essas pesquisas, a inteligência emocional se apoia em cinco pilares, os quais veremos abaixo.

Quais os pilares da inteligência emocional?

Em seu livro, Daniel Goleman elencou cinco pilares que baseiam a teoria da inteligência emocional. Estes pilares são complementares e sustentam o equilíbrio dos hemisférios cerebrais, e consequentemente de nossas emoções. Confira:

  • Autoconsciência: O primeiro pilar evidencia a capacidade humana de conhecer a si mesmo, identificar as próprias emoções e descobrir o que está sentindo e qual a raiz desse sentimento. 
  • Controle emocional: Este pilar se conecta diretamente com o primeiro, pois a resposta natural à emoção é a reação. O controle emocional é a competência de saber reagir às emoções, sem se deixar dominar por elas. Saber controlar as emoções evita uma série de problemas como ataques de raiva, conflitos no ambiente de trabalho, por exemplo.
  • Automotivação: Este pilar consiste em manter-se motivado mesmo diante das adversidades. Encarar as falhas como um aprendizado e os tropeços como uma experiência positiva nos estimula a seguir firmes rumo ao propósito. Para tal, é preciso ter disciplina mesmo quando a motivação falta.
  • Empatia: Se colocar no lugar do outro é, de longe, um dos pilares mais importantes, pois assim como precisamos aprender a lidar com nossas próprias emoções, não podemos deixar de lado as emoções do outro.
  • Habilidades sociais: Todos os outros pilares nos preparam para o último, que é desenvolver atributos que nos levem a ter bons relacionamentos interpessoais. É aqui que entram as soft skills que falamos anteriormente. Estas habilidades interpessoais estão diretamente ligadas à inteligência emocional, fazem parte da personalidade dos indivíduos, entretanto podem ser aprimorados ao longo da vida. Conheça alguns desses atributos a seguir:
    • trabalho em equipe;
    • proatividade;
    • criatividade;
    • adaptabilidade;
    • gestão de conflitos;
    • visão sistêmica;
    • espírito de liderança;
    • honestidade;
    • ética.

Pessoas com estas habilidades são as mais procuradas por recrutadores no mercado de trabalho, principalmente para cargos que lidam com grandes responsabilidades, alto risco e pressão constante.

Como a inteligência emocional pode alavancar sua carreira?

No ambiente profissional podemos enfrentar diversas dificuldades e pressões que podem afetar a saúde mental, e que se não tratadas podem colocar em risco o sucesso profissional. Pessoas que buscam aplicar a inteligência emocional na vida têm mais facilidade para lidar com as emoções da melhor forma e canalizar esforços para crescer profissionalmente.

Guia da carreira - o que é inteligência emocional

A inteligência emocional é muito útil não apenas para evitar conflitos, ela nos prepara para receber críticas e interpretar feedbacks de forma construtiva, a fim de refletir sobre o que precisa ser melhorado sem levar para o lado pessoal. 

Enquanto as habilidades técnicas podem ser aprendidas em cursos e formações específicas, mudar o comportamento do profissional a fim de desenvolver habilidades interpessoais exige uma transformação bem mais radical e prática constante.

Como desenvolver a inteligência emocional no trabalho?

Agora que você já sabe a importância deste princípio, quer saber como desenvolver inteligência emocional no mundo do trabalho? Separamos algumas dicas para te ajudar nesse processo:

  1. Conheça seus pontos fortes e fracos;
  2. Pense bastante ante de agir;
  3. Seja resiliente;
  4. Tenha empatia pelos outros;
  5. Não ignore suas emoções, mas aprenda a controlá-las;
  6. Aprenda a trabalhar em equipe;
  7. Desenvolva uma postura positiva.

Estes são apenas os primeiros passos para se tornar uma pessoa que tem inteligência emocional. Que tal começar a colocar esses ensinamentos em prática?

Onde estudar inteligência emocional?

Como você já viu até aqui, a inteligência emocional pode ser estudada no curso de Psicologia. Entretanto, este conceito vem pouco a pouco ganhando espaço nas faculdades de Recursos Humanos.

Seja qual for a sua escolha curso, o que importa de verdade é escolher uma boa universidade, com diploma certificado pelo Ministério da Educação e reconhecido no mercado de trabalho. Além de um ótimo ensino, uma universidade de qualidade pode abrir muitas portas para te ajudar no início da sua carreira.

Se você ainda não sabe por onde começar a busca, preparamos uma lista com ótimas universidades para você. Veja a seguir:

Leia também:
Entenda o significado de Hard Skills e Soft Skills
Psicologia: saiba tudo sobre a profissão e veja onde estudar

Compartilhar
Facebook Twitter Google Linkedin